Arquivo de setembro de 2016

Backup Remoto Indaiatuba

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Backup Corporativo

Soluções corporativas de backup e armazenamento de dados em nuvem compatíveis com os mais diversos tipos de sistemas operacionais, bancos de dados, aplicações e sistemas de virtualização

Backup em Nuvem

Solução corporativa de backup onde os dados são enviados diretamente dos servidores dos nossos clientes aos nossos ambientes de data center padrão World Class Tier III localizados no Brasil.


Funcionalidades

  • Backup manual, agendado ou em tempo real
  • Backup full, incremental e diferencial
  • Backup de arquivos em ambiente Microsoft, Linux e Mac
  • Backup de bancos de dados Oracle, MS-SQL Server, MySQL, Firebird, Postgre
  • Backup de máquinas virtuais VMWARE e Hyper-V
  • Backup de arquivos abertos
  • Retenção e versionamento de dados
  • Criptografia padrão militar padrão AES 256 bits
  • Compressão de dados em ratio de até 80%
  • Filtros de backup por tipos de arquivos
  • Controle de banda de upload
  • Opção para realizar backup local antes do envio para nuvem
  • Multi-thread – permite a execução de rotinas simultâneas no mesmo servidor
  • Aplicação de backup como serviço do Windows (RunAsService)
  • Notificação diária da execução das rotinas de backups
  • Emissão consolidada de relatórios técnicos e executivos
  • Portal de auditoria e gestão de usuários
  • Dados armazenados em Data Center World Class Tier III no Brasil, atendendo todos os requisitos de compliance e auditoria
  • Permite a eliminação de qualquer outro tipo de solução interna de backup (robôs de backup, fitas, etc)
  • Conectividade de 1Gbps de backbone Internet
  • Suporte e monitoração 24×7

Topologia


Plataformas suportadas


Versões

    • Max.STD
    • Max.PRO

Quem deve liderar a transformação digital?

quarta-feira, 14 de setembro de 2016

 

Estudo da IFS aponta que os diretores de TI estão bem cotados para conduzirem suas empresas rumo à digitalização

As responsabilidades sobre a condução dos processos de transformação digital ainda não estão claras dentro das hierarquias corporativas. Segundo uma pesquisa global da IFS, fabricante de ERPs, ainda há sérias dúvidas a respeito de quem é o líder desses projetos.

De acordo com o levantamento, os diretores de TI levam vantagem. Para 40% dos 500 respondentes do estudo, os CIOs têm a missão de conduzir a empresa rumo à digitalização. Os CEOs vêm logo atrás (39%), seguido pelos CFOs (35%), CTOs (20%) e CMOs (6%).

Uma ressalva se faz necessária: os respondentes frequentemente apontaram a si mesmos como responsáveis pela coordenação desse movimento digital. Assim, o resultado demonstrou que 53% dos diretores executivos consideram a si mesmos responsáveis. O número correspondente de gestores financeiros e de tecnologia foram 69% e 63% respectivamente.

A pesquisa da IFS traz, ainda, outros dados interessantes sobre o assunto, além de algumas afirmações que já se tornam bastante comuns nesse tipo de estudo.

Um exemplo? 40% dos respondentes afirmaram que suas empresas estão despreparadas para a transformação digital, apesar de 86% esperarem que o conceito desempenhe papel-chave dentro de cinco anos.

Alta prioridade, baixa estratégia

Um bom número (76%) de entrevistados indicou que precisará de mais informações sobre a transformação. Outro dado interessante é que muitas empresas nunca foram muito longe na implementação de estratégias: 40% afirmaram que sequer possuem uma estratégia clara para a transformação digital.

Ao serem solicitados para classificar as tecnologias disruptivas e o quão importante estas são para impulsionar a transformação digital nos setores onde atuam, a pesquisa identificou temas como Internet das Coisas, cloud, sistemas cognitivos e de aprendizado de máquinas, wearables, impressão 3D e drones.

 

 

Fonte: http://computerworld.com.br/cdo-cmo-cio-ou-ceo-quem-deve-liderar-transformacao-digital

Nokia e Orange alcançam transmissão de 1,5 Tbps em única fibra na Polônia

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

A Nokia a a filial na Polônia da operadora francesa Orange anunciaram nesta quinta-feira, 21, a conclusão de teste de transmissão com capacidade de 1,5 Tbps (terabit por segundo) em um caminho de 870 km entre as cidades polonesas de Varsóvia e Wroclaw. Assim, a fornecedora afirma ter conseguido pela primeira vez a transmissão de 250 Gbps por comprimento de onda na infraestrutura existente da operadora, ou cerca de 30% mais rápida do que a tecnologia atual. Isso significa que foram utilizados seis portadoras para compor um único supercanal de 1,5 Tbps com banda de 300 GHz em uma fibra comum.

A Nokia afirma que a capacidade é maximizada enquanto o espaçamento de canal permanece alinhado com a determinação de 50 GHz da União Internacional de Telecomunicações (UIT-T). Além disso, o teste utilizou uma infraestrutura de rede flexível e amplificação de 20 dB na fibra. A Orange e a fornecedora finlandesa ainda demonstraram uma eficiência espectral com um transponder em tempo real de 5 bits/Hz e 250 Gbps em 50 GHz no percurso de 870 km e formato de modulação de 16 QAM. O link ótico poderia transmitir até 24 Tbps se fossem utilizados 96 amplificadores de canais.

Fonte: http://convergecom.com.br/teletime/21/07/2016/nokia-e-orange-alcancam-transmissao-de-15-tbps-em-unica-fibra-na-polonia/

Transações B2B pela web devem movimentar R$ 1,69 trilhão neste ano, diz pesquisa

domingo, 11 de setembro de 2016

Volume de transações digitais entre empresas aumenta e é esperado um crescimento de 2,42 % no período.
O índice Business-to-Business online (B2BOL), que mede as transações comerciais entre empresas, deverá chegar a R$ 1,69 trilhão em 2016, conforme aponta dados divulgados pela E-Consulting, boutique de estratégia e projetos em criação, desenvolvimento e implementação de serviços profissionais em Web, TI, Telecom, Contact Center, Multicanais e Novas Mídias para 47 das 100 maiores empresas do Brasil.

Segundo o levantamento, medido há 14 anos e realizado com 500 empresas, o crescimento esperado é de 2,42 % no período, frente ao R$ 1,65 trilhão alcançado em 2015. A expansão do índice segue tímida neste ano se comparar os resultados de 2015 com os números de 2014, que teve um aumento de 9,2%. Em 2014, o volume apresentado foi de 1,5 trilhão.

O B2BOL mede, a cada três meses, os volumes transacionados digitalmente entre empresas (Portais, EDI, Plataformas B2B, etc), seja por meio de portais proprietários (B2BOL_Companies) ou via intermediários – os E-Marketplaces independentes (B2BOL_ E-Markets).

O B2BOL Companies, praticado entre as trinta maiores empresas do país, que representam em torno de 77% de toda a movimentação brasileira entre companhias e suas cadeias de valor, alcançou R$ 1,37 trilhão no primeiro trimestre, contra R$ 1,34 trilhão de 2015. Os segmentos que mais representam neste nicho são Bens de Consumo Duráveis e Não Duráveis (11,1%), Governo e Agências públicas (10,6%), Atacado & Varejo (10,2%), Química e Petroquímica (9,7%) e Telecomunicações, TI e Internet, Entretenimento e Mídia (8,7%).

Já o B2BOL realizado entre e-marketplaces independentes – os chamados mercados digitais intermediários – atingiu no trimestre o volume de R$ 359 bilhões. No mesmo período do ano passado, este valor foi de R$ 351 bilhões. Nesta categoria, Consumo Duráveis e Não Duráveis (12,8%), Atacado & Varejo (7,5%), Química e Petroquímica (12,5%), Telecomunicações, TI e Internet, Entretenimento e Mídia (8,3%) e Utilities (7,6%) são os mercados que ainda continuam a despontar no levantamento.

“Diferente de outros nichos da economia, que sofrem com a atual crise econômica do País, o segmento de B2B continua em expansão, mesmo que seja tímida. Cada vez mais empresas que vendem para outras empresasaumentam seus investimentos em plataformas de e-commerce, em integração end to end (pedidos de gestão, ERP, ferramentas financeiras, dentre outros) e multicanal. É importante também realçar o maior crescimento comparativos do B2B e-marketplaces”, explica Daniel Domeneghetti, CEO da E-Consulting.

 

Fonte: http://ipnews.com.br/transacoes-b2b-pela-web-devem-movimentar-r-169-trilhao-neste-ano-diz-pesquisa/

FUJITSU DESENVOLVE TECNOLOGIA PARA RESFRIAR DATA CENTERS

sábado, 10 de setembro de 2016

Tecnologia que prevê com alta precisão dados de clima do ambiente, reduz consumo de energia de ar-condicionado em data centers em até 20%
O centro de pesquisa da Fujitsu acaba de desenvolver uma tecnologia de previsão de alta precisão para medidas de temperatura e umidade, o que permite a economia de energia em equipamentos de ar-condicionado em data centers.
Com o objetivo de prevenir o aquecimento global e reduzir custos, surge cada vez mais a demanda por economia de energia em data centers, especificamente no que diz respeito aos equipamentos de ar-condicionado, que são responsáveis por uma fatia de 30 a 50% do total gasto com eletricidade. Para atender essa necessidade e responder com flexibilidade à dinâmica de um data center, como entradas e/ou saídas de equipamentos de informação e alterações do regime de racks, a Fujitsu desenvolveu uma tecnologia de alta precisão que constrói sequencialmente um modelo que prevê os efeitos do ar-condicionado a partir de dados coletados, permitindo reduções no consumo de energia do equipamento.
Confira os detalhes da inovação no site oficial em inglês:
http://www.fujitsu.com/global/about/resources/news/press-releases/2016/0629-02.html
Fonte: http://www.datacenterdynamics.com.br/focus/archive/2016/07/

fujitsu-desenvolve-tecnologia-para-resfriar-data-centers

Inteligência Artificial no Atendimento ao Cliente – Aperfeiçoamento ou Impessoalidade?

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Um exército de robôs está prestes a revolucionar a forma como as empresas se relacionam com seus clientes. Cada vez mais as companhias recorrem aos algoritmos e mecanismos de inteligência artificial para aperfeiçoarem seus processos. Os casos de uso do conceito pipocam ao redor do mundo.

A Skyscanner, por exemplo, acabou de liberar uma iniciativa para surfar essa onda ainda em formação. O site desenvolveu um bot (uma aplicação de software concebido para simular ações humanas) para ajudar que usuários procurem voos a partir de uma conversa através do Facebook Messenger.

Segundo a companhia, a ferramenta “permitirá que os viajantes interajam com ele [robô] em inglês, perguntando preços de voos e pedindo dicas de destino”. A ideia é que o sistema responda utilizando linguagem natural.

O recurso foi habilitado por uma série de componentes tecnológicos e ganhou força em abril quando a rede social criada por Mark Zuckerberg lançou ferramentas e APIs para ajudar desenvolvedores a criarem esse tipo de ferramentas.

“A economia de mensagens instantâneas e buscas conversacionais são áreas que acreditamos serem importantes recursos evolucionários para o setor de viagens”, pondera Filip Filipov, diretor do Skyscanner, sobre o lançamento de sua empresa.

Outra empresa que utiliza robôs integrados ao Facebook é a brasileira Mecasei. A assistente virtual da startup, chamada Meeka, também foi portada para a rede social e, há algumas semanas, responde dúvidas pelo chat sobre questões relativas ao casamento.

Além do Facebook

Os robôs ocupam espaço para além das redes sociais. A Aspect lançou um chatbot que vem com a promessa de ampliar a eficiência para os agentes do contact center.

O Mila, como a assistente é chamada fornece informações práticas e automatizadas para decisões rápidas de funcionários que impactam diretamente no atendimento ao cliente.

A ferramenta é uma integração de tecnologias de compreensão de linguagem natural (NLU) da empresa. Segundo a companhia, o sistema permite aos supervisores gerenciar melhor as necessidades de pessoal, e capacita os agentes para assumir o controle das programações de escala a partir de qualquer lugar e usando dispositivos móveis.

O fato é que essas tecnologias – que ganharam popularidade com Siri (Apple) e Cortana (Microsoft) – viram aplicações práticas de automatizar rotinas. É o caso da “secretária virtual” da x.ia, que organiza o agendamento e realização de reuniões.

Garçom

A robótica também caminha para além dos assistentes virtuais. O Pepper, robô criado pela japonesa Softbank já se encontra em teste em campo em processos de atendimento aos clientes.

Recentemente, a MasterCard anunciou que o humanoide será implementado, em breve, em algumas unidades da Pizza Hut de Singapura. Em um vídeo, o dispositivo conversa com uma cliente e “anota” seus pedidos por meio do tablet acoplado a sua estrutura.

A inteligência artificial encontra-se apenas no início. A tendência é que novas aplicações surjam com o avanço da tecnologia e aplicação da criatividade humana, que ajudará a criar inovações baseadas nessa tecnologia emergente.

 

 

Fonte: http://computerworld.com.br/revolucao-dos-robos-no-atendimento-aos-clientes

QUALCOMM PROJETA VENDAS DE ATÉ 1,72 BILHÃO DE APARELHOS 3G E 4G ESTE ANO

quarta-feira, 7 de setembro de 2016

Companhia registrou aumento de receita e do lucro líquido no último trimestre, graças a mais vendas para a China e corte de despesas.

A fabricante de chips para dispositivos móveis Qualcomm divulgou hoje, 20, o balanço financeiro da companhia para o terceiro trimestre de seu ano fiscal. Também divulgou sua projeção para o mercado de dispositivos móveis 3G e 4G. A estimativa é que, em 2016, o mundo compre entre 5% e 11% mais aparelhos do tipo – o que resultaria em número entre 1,62 bilhão e 1,72 bilhão. Em 2015, as vendas foram de 1,55 bilhão.

A empresa ressalta, porém, que este volume pode ser maior, uma vez que há empresas chinesas que informam dados menores que o real, além de fabricantes do mercado cinza, que não pedem licenciamento das tecnologias.

Apesar disso, foi justamente o avanço das marcas chinesas de celular que contribuiu para a melhora dos números da fabricante. A receita cresceu 4% em um ano, atingindo US$ 6 bilhões. O lucro líquido foi de US$ 1,6 bilhão, maior em 22%. O bom desempenho também foi alcançado devido a corte de custos. A empresa executa plano para reduzir as despesas em US$ 1,4 bilhão. Neste ano, espera realizar 50% desse plano.

A empresa forneceu chips para equipar quase 325 milhões de dispositivos 3G ou 4G no trimestre encerrado em junho, 11% mais que no mesmo período de 2015. Mas detectou uma queda no preço dos celulares, que teriam custado entre US$ 191 e US$ 197, 7% menor.

Para o quarto trimestre, que se encerrará em setembro, a companhia estima receita entre US$ 5,4 bilhões e US$ 6,2 bilhões e venda de até 215 milhões de chips. A crescimento nas vendas de aparelhos 3G e 4G deve ficar em um dígito.

Fonte: http://www.telesintese.com.br/qualcomm-projeta-vendas-de-ate-172-bilhao-de-aparelhos-3g-e-4g-este-ano/

De acordo com a consultoria, mais do que nunca, colaboradores precisarão atuar de forma integrada às decisões de negócios digitais

terça-feira, 6 de setembro de 2016

 

O aumento da presença digital nas empresas irá alterar significativamente o modo como os profissionais de segurança lidam com a proteção. Mais do que nunca, os colaboradores precisarão atuar de forma integrada às decisões relativas aos negócios digitais e trabalhar junto aos líderes empresariais para assegurar a segurança corporativa.

“Atualmente, a segurança consiste em termos uma abordagem holística de todos os seus aspectos. A segurança digital é a próxima evolução em cibersegurança para proteger essa abrangente presença digital”, afirma Earl Perkins, vice-presidente de pesquisas do Gartner, que projetou seis tendências dentro desse contexto.

  1. Busca do equilíbrio –“Enquanto a segurança vai para um estado integrado dentro de cada setor da empresa, os profissionais da área estão sob uma pressão cada vez maior para equilibrar o risco e a resiliência”, diz o executivo. A meta será equilibrar a gestão do risco com a necessidade crescente da capacidade de resposta e de requisitos de conceito aberto das empresas. Para equilibrar risco e resiliência, os profissionais de TI devem criar métodos que permitam formas mais rápidas para tratar problemas com segurança e que demonstre agilidade.
  2. Aceleração da geração de habilidades e convergência –“À medida que as tendências de segurança mudam, as empresas devem incorporar novos conjuntos de habilidades, tais como ciência de dados, automatização da segurança e a gestão da identidade onipresente”, destaca Perkins. Será um desafio encontrar todas essas pessoas e, assim, os serviços externos se tornarão cada vez mais importantes. Para seus funcionários atuais, as companhias devem identificar as habilidades faltantes e focar na criação de profissionais versáteis que sejam capazes de preencher esses diversos requisitos.
  3. Desenvolvimento de uma cadeia de fornecimento digital de segurança –“Conforme o número de softwares envolvidos na cadeia de fornecimento tradicional cresce, as tecnologias digitais criam uma cadeia de fornecimento igualmente digital, usando serviços de cloud”, explica o analista do Gartner. Os profissionais de segurança devem desenvolver uma estratégia para a Nuvem pública, avaliar se a estratégia de Nuvem privada da empresa pode ser empregada e criar uma abordagem de controle do ciclo de vida da Nuvem. Finalmente, as empresas devem implementar essas estratégias gradativamente para que a segurança da Nuvem não se torne difusa com tantos operadores.
  4. Inclusão da arquitetura de segurança adaptável –“As empresas já têm uma infinidade de produtos relacionados à segurança, prevenção, detecção e resposta”, afirma Perkins. Os responsáveis pela segurança devem alterar sua mentalidade de resposta a incidentes para resposta contínua, gastar menos tempo na prevenção e investir mais na detecção e reação. As redes, de acordo com o contexto, são capazes de fornecer diversas fontes de informação que os profissionais da segurança podem usar para determinar um ataque. As companhias devem arquitetar uma segurança contínua e abrangente para fornecerem visibilidade para suas diferentes camadas para a segurança futura.
  5. Adaptação da infraestrutura de segurança –“Devido ao aumento da conectividade e da diversidade de dispositivos, diferentes tipos de rede que nunca haviam se interligado estão se conectando”, diz o analista. Como resultado, os profissionais da segurança precisam tomar decisões para equiparem os pontos de integração dessas redes. As empresas devem criar diretrizes para as áreas de confiança para a segmentação da rede e avaliarem as técnicas de descoberta para que estejam cientes das mudanças que ocorrem em nível físico. Além disso, como esta é uma área para onde a segurança móvel tem sido direcionada, as empresas devem melhorar seus conjuntos de habilidades de segurança para incluírem todos os meios de comunicação sem fio e observarem a indústria móvel para aprenderem a simplificar as camadas de segurança.
  6. Definição da administração e do fluxo da segurança de dados –“As empresas precisam de uma abordagem focada na política de uso, monitoramento e proteção, e agrupar a infinidade de tipos de produtos do mercado em distintos segmentos. Dessa forma, os profissionais podem trabalhar de forma eficaz na criação da arquitetura de segurança. É preciso começar a lidar seriamente com os tipos de dados e focar na proteção dos aparelhos e na criação de perfis do fluxo de dados para determinar a estratégia de segurança para Internet das Coisas. No geral, as empresas devem avançar em direção à lógica que inclui a governança e que mostra algum formalismo na segurança de seus dados”, afirma Perkins.

 

 

 

Fonte: http://computerworld.com.br/seis-tendencias-em-ciberseguranca-segundo-o-gartner

ancos começam a realizar transações com a tecnologia bitcoin

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

O mercado de bitcoin começa a mostrar cada vez mais sinais de amadurecimento. Aos poucos pequenas e grandes instituições financeiras começam a utilizar plataformas e sistemas que colaboram para agilizar processos operacionais cotidianos e reduzem os custos e a burocratização de transações.

A exemplo disso, um grupo envolvendo sete bancos, que inclui o Santander, o UniCredit e o CIBC já começaram a movimentar dinheiro real internacionalmente utilizando a tecnologia baseada no sistema blockchain. No mês de junho, os bancos anunciaram que utilizaram ativos digitais na plataforma Ripple como parte de projetos de realização de pagamentos internacionais. Ao invés de operarem transações através de contas em moeda local em bancos de todo o mundo, as instituições financeiras optaram por converter o dinheiro do Ripple, conhecido como XRP, para em seguida concluírem a transação quase que automaticamente. Sem a tecnologia, o processo de compensação demorava de três a cinco dias, além de ser sujeito a erros.

Chris Larsen, presidente-executivo e cofundador da Ripple, declarou que o acordo realizado com os sete bancos representa “um grande marco, talvez um ponto de inflexão” no mercado de moedas digitais. Atualmente, os bancos que utilizam o Ripple incluem o alemão ReiseBank, o suíço UBS, National Bank of Abu Dhabi e o canadense ATB Financial. O blockchain funciona como uma espécie de livro de registros virtuais, constituindo-se em uma plataforma de dados com cópias idênticas distribuídas por diferentes computadores e controlado por várias entidades sem que nenhum órgão sirva como autoridade central, apenas as partes envolvidas nas transações. A tecnologia baseada no sistema tem sido buscada por diversas empresas que procuram maneiras de reformular suas operações e reduzir custos. Apesar de ter considerado em sua revisão anual que sistemas como o Ripple podem aumentar a eficiência de transações financeiras e diminuir os custos de transações, o Conselho de Fiscalização da Estabilidade Financeira dos Estados Unidos também afirmou que os sistemas “apresentam certos riscos e incertezas”. A ressalva foi feita depois que a DAO, organização que utiliza o blockchain da moeda virtual ethereum, sofreu um ataque cibernético onde os hackers levaram cerca de US$ 60 milhões.

 

Fonte: http://corporate.canaltech.com.br/noticia/negocios/

santander-e-outros-bancos-comecam-a-realizar-transacoes-com-a-tecnologia-bitcoin-73619/

General Electric economizará US$ 500 milhões com internet industrial

domingo, 4 de setembro de 2016

 

Um executivo da General Electric revelou à agência Reuters que a companhia deverá economizar US$ 500 em 2016 graças à internet industrial. A GE também anunciou, em uma coletiva de imprensa realizada na China, que firmou uma parceria com a Huawei para desenvolver sua estratégia nesse mercado. Internet industrial é como a GE chamou a fusão das tecnologias Big Iron e Big Data para criar máquinas que empregam os chamados dados inteligentes. Uma das maiores fabricantes de motores a jato e locomotivas diesel do mundo, a GE deseja se conectar a essas máquinas usando a internet ao produzir dados que podem melhorar a produtividade, reduzir as emissões de poluentes e o gasto com combustível. A companhia também inaugurou um espaço digital em Xangai nesta quarta-feira (20), onde planeja incubar novas startups e manter desenvolvedores trabalhando em novas aplicações com essa tecnologia. Quanto à parceria com a Huawei, por enquanto as companhias não divulgaram detalhes. Fonte: Reuters

Matéria completa:   http://corporate.canaltech.com.br/noticia/empresas-tech/

general-electric-economizara-us-500-milhoes-com-internet-industrial-73951/