Posts com a Tag ‘Campinas’

Estudo de Caso – TeamViewer

domingo, 8 de novembro de 2015

Quando as pessoas ouvem a palavra “suporte”, elas pensam em um fornecedor de serviços de TI. Porém, o suporte de TI é uma área integrada a quase todos os setores. O TeamViewer, com um software completo para manutenção remota e reuniões online, é usado em todas as áreas. Saiba mais sobre as diferentes áreas de aplicação em que o TeamViewer é usado. Você ficará surpreso. Você sabia que, por exemplo, que o TeamViewer otimiza os processos em hospitais?

Um relato bacana está disponível em inglês : https://blog.teamviewer.com/optimizing-hospital-processes-with-teamviewer/?utm_source=TV-Newsletter-pt&utm_medium=Email&utm_campaign=TeamViewerNewsletterQ32015&utm_content=Content%2BLink%2BCasestudy&pid=news.TeamViewerNewsletterQ32015

fonte: TeamViewer

Suporte a dispositivos móveis

sexta-feira, 6 de novembro de 2015

TeamViewer – A solução inteligente para suporte a dispositivos móveis

Certamente, você já ouviu falar do aplicativo compatível com dispositivos móveis do TeamViewer, mas você sabe o que nós fazemos com ele?

Com o recurso de compartilhamento de tela em tempo real para aplicativos iOS ou Android, podemos dar suporte aos usuários de aplicativos móveis e ajudá-los a resolver problemas. A função de compartilhamento de tela agora é compatível com todos os dispositivos Android 5.0, independente do fabricante. A solução inteligente ajuda a oferecer o melhor suporte para os dispositivos móveis.

Mais detalhes em: https://www.teamviewer.com/pt/products/mobile-device-support.aspx?utm_source=TV-Newsletter-pt&utm_medium=Email&utm_campaign=TeamViewerNewsletterQ32015&utm_content=Content%2BLinks%2BMDS&pid=news.TeamViewerNewsletterQ32015

Fonte: TeamViewer

Empresas apresentam soluções antigrampo em feira de computação

quinta-feira, 13 de março de 2014

Companhias de telecomunicações como Deutsche Telekom e Vodafone e o especialista em codificação de dados Secusmart apresentam na CeBIT, a maior feira de computação do mundo, soluções antigrampo para aumentar a segurança das conversas e o envio de dados.

A chanceler alemã, Angela Merkel, se mostrou surpresa nesta segunda-feira em Hannover, no norte da Alemanha onde acontece a feira, quando alemã Secusmart mostrou que, com pouco esforço, é possível conseguir uma comunicação mais segura. A Secusmart fornece ao governo alemão telefones celulares com alta segurança para conversas confidenciais, porém a solução é muito cara para o usuário comum.
A CeBIT – inaugurada hoje, e que neste ano tem o Reino Unido como país convidado, com a presença do primeiro-ministro David Cameron na abertura – está nesta edição com a atenção voltada para melhorar os padrões de segurança de dados para evitar a espionagem, como o que sofreu Merkel.

A chanceler alemã, de que soube no ano passado que tinha sido espionada pelo serviço de inteligência americano, ressaltou a importância de proteger a segurança na internet como condição necessária para a evolução.

Mais de 500 empresas apresentarão neste ano na CeBIT soluções de segurança digital.

Cameron, que defendeu colaborar com a Alemanha para criar uma Europa Digital, não acompanhou hoje Merkel em toda a visita às empresas mais importantes da CeBIT, e a espionagem não foi mencionada no tempo em que percorreram a feira juntos. O centro de escutas britânico GCHQ esteve envolvido no escândalo de espionagem da Agência de Segurança Nacional (NSA) revelado por Edward Snowden.

A delegada europeia para a Agenda Digital, Neelie Kroes, disse na feira: “Snowden nos deu um sinal de alerta. Não nos deixem esquecê-lo”. Ela quer apresentar neste ano o projeto de lei sobre uma pauta europeia para a segurança em tecnologia da informação. A delegada afirmou que a Europa não pode fechar as portas à inovação.

Sobre às soluções anti escuta, a Deutsche Telekom tem seu smartphone antigrampo SiMKo 3.

Já a Vodafone e a Secusmart oferecem juntas uma solução de segurança accessível para comunicação de voz com smartphones a partir de um aplicativo que custaria 12 euros por mês (cerca de R$40) a mais que a conta telefônica, segundo declarações do diretor de Vodafone na Alemanha, Jens Schulte-Bockum, conforme publicado hoje no jornal especializado em economia “Handelsblatt”.

Os usuários de um smatphone podem usar o aplicativo que oferece tanta segurança quanto a do telefone de Merkel, com a condição de que as empresas assegurem de forma especial os sistemas operacionais destes telefones, de acordo com a Secusmart.

Os processadores Android e o iOS da Apple são considerados predispostos a ataques cibernéticos, como indicam especialistas do setor, que inclusive não recomendam usar smartphones quando se trata de informação muito delicada.

Outro assunto abordado na CeBIT é o apoio a empresas emergentes de tecnologia da informação, das que 300 se apresentam na feira, assim como a análise de macrodados. Neste sentido, o co-presidente da companhia alemã de software para empresas SAP AG, Jim Hagemann Snabe, disse que a análise de macrodados tem que ser cada vez mais rápida.

A CeBIT conta com mais de 3.400 empresas de 70 países apresentando seus novos produtos de informática até 14 de março.

Agência EFE

Software-Defined Data Center (SDDC). Será que realmente é tendência?

quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

Nos meses de julho e agosto de 2013, abordei aqui no blog como seria o Data Center do futuro. Reforcei que o ideal seria caminharmos para alguma solução que seguisse o conceito de IT-as-a-Service (ITaaS) auxiliado por uma Infraestrutura de Cloud Elástica (Automática e Híbrida com transbordo da rede do cliente para o Data Center).

A meu ver, essa visão amadureceu. No decorrer do ano, visitei alguns eventos e muitos deles apontavam para uma tendência comum: Data Center Como Um Elemento Virtualizado. Esta tendência mostra como pilares os seguintes elementos:

Tecnologia i386;
Virtualização de todas as aplicações;
Virtualização dos hardwares e componentes usados comumente dentro do Data Center (Firewalls, switches, roteadores, servidores, Load Balances, storages, etc).
Tal tendência toma vida no conceito comumente chamado de Software-Defined Data Center (SDDC)/Data Center Definido por Software. De forma geral podemos dizer que Software-Defined Data Center é o Data Center virtualizado entregue como serviço (As A Service), onde todo o controle do Data Center é completamente automatizado por software.

Imagine o Software-Defined Data Center no centro de uma esfera tendo ao seu redor diversas camadas. Olhando para estas camadas reconhecemos elementos como Virtualização da Infraestrutura de Rede, Virtualização de Storage, Virtualização de Servidores e Automação.

Claro que isso possibilita criar uma máquina virtual e associar a ela automaticamente VLANs, firewalls, Load Balance e demais elementos customizados para as necessidades desta máquina virtual. Quando esta máquina for removida, toda a sua infraestrutura seria removida, liberando recursos como processamento, memória, disco, acessos de rede, etc. Imagine quanto tempo ganharíamos no processo de ativação e também de desligamento!

Veja que não estamos referenciando um conceito focado na ficção. A Virtualização da Infraestrutura de Rede é comumente indagada como Software-Defined Network (SDN)/Rede Definida por Software. A comercialização deste conceito é real e pode ser encontrada nas tecnologias Cisco Systems, Nicira (comprada pela VMware por $1.26 bilhões em 23/07/12), BigSwitch Networks, Lyatiss e Xsigo Systems.

Já a virtualização de storage não é o elemento mais novo dos temas aqui discutidos, mas ainda tem muito que amadurecer. Podemos encontra-la presente em empresas como Nutanix, Virsto, Nexenta, iWave, DataCore Software, NexGen Storage, PistonCloud e diversas outras. É sem dúvida um tema para ser discutido detalhadamente em um artigo específico.

Já o segredo da automação está representado pela habilidade de traduzir a lógica ligada ao negócio de cada empresa em elementos automatizáveis. Será preciso alguns anos para termos uma solução flexível e integrável a um Data Center virtual.

O Software-Defined Data Center é um conceito fantástico e é também uma tendência, mas existe uma segunda linha de pensamento revelando que ele não é suficiente e que deveríamos caminhar para um conceito mais amplo chamado de Business-Defined Data Center/Data Center Definido pelo Negócio, conforme apontado pela Forrester Research.

Segundo o Forrester Research, um ambiente mais indicado para uma organização deveria ser 80% em estruturas genéricas e 20% com estruturas especialistas. As estruturas genéricas estariam focadas nas aplicações que são realmente importantes para o negócio, fazendo uso massivo de automações e dos elementos virtualizáveis na solução. Estaríamos com isto identificando, sem interações humanas, as aplicações mais vitais para o negócio de cada empresa e dando mais apoio para estas aplicações de forma dinâmica, usando as regras de negócio definidas anteriormente.

Acredito que o ano de 2014 vai nos brindar com algumas boas surpresas dentro do conceito de Software-Defined Data Center. Mas, precisaremos gastar algum tempo e muito esforço para entender a “sopa” de siglas que virá junto com os recursos e possibilidades.

Forte abraço e boa leitura,

Denis Augusto

Operadoras engatinham no mercado de computação em nuvem no Brasil

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

As operadoras de telecomunicações do Brasil ampliaram sua oferta de serviços de computação em nuvem para clientes corporativos, mas apesar dos esforços, ainda engatinham para ganhar a confiança dos clientes num mercado dominado por gigantes internacionais de tecnologia e empresas especializadas em data centers.

A computação em nuvem (ou cloud computing, em inglês) é o uso de memória e poder de processamento de computadores e servidores compartilhados e interligados por meio da Internet.

O uso dessa tecnologia tem se intensificado nos últimos anos, mas ainda se trata de um mercado pequeno no país, disse diretor da empresa de pesquisas IDC, Alexandre Campos Silva.

O mercado é atualmente dominado por gigantes como Microsoft, IBM, SAP e Oracle, e por empresas especializadas, como Alog, Locaweb e Totvs.

“Como para oferecer cloud é preciso links de Internet, providos pelas operadoras, elas vislumbraram oportunidade de entrar num mercado crescente em que podem obter receitas”, disse Silva.

A expectativa é que o cloud computing movimente 257 milhões de dólares no Brasil em 2013, podendo atingir 798 milhões de dólares em 2015, segundo o IDC.

Para os clientes corporativos, a vantagem da nuvem é o custo menor na comparação com um servidor físico, além de ser um serviço flexível, em que a companhia pode aumentar ou diminuir a capacidade de armazenamento e processamento de acordo com suas necessidades e a sazonalidade do negócio.

A Vivo entrou no segmento em abril de 2012 com foco em companhias de grande porte. A operadora não informou o número de clientes, mas disse ter mais de 3 mil servidores virtualizados, segundo o diretor do segmento de empresas da Telefonica/Vivo, Maurício Azevedo.

Dez competências essenciais para profissionais de TI

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

O mercado de TI tem crescido muito e no mesmo ritmo estão crescendo as exigências para quem atua nesse ramo. Segundo Sandro Melo, professor e coordenador do curso de Redes de Computadores da BandTec, faculdade de TI ligada ao colégio Bandeirantes, os talentos dessa área precisam reinventar-se constantemente.

“Trata-se de uma área em que o surgimento das novas tecnologias exige uma atualização continuada”, destaca o professor. Ele também observa que as habilidades tradicionais já não são suficientes para atender a atual demanda,

Melo afirma que TI está numa fase de mudanças e requer novas competências. Portanto, é essencial que os cursos universitários acompanhem esse ritmo.

Para ajudar os jovens talentos a se preparem para o mercado de trabalho, Melo lista as dez principais competências que oferecem o mix de habilidades necessárias para suprir as novas exigências das empresas.

1. Cloud computing e virtualização

A computação em nuvem possui um modelo de infraestrutura de TI que provê recursos de modo mais fácil e econômico. Dessa forma, as empresas podem pensar em ter mais aplicações para aprimorar e alavancar negócios, o que, consequentemente, demanda que os profissionais de TI e os desenvolvedores de aplicativos tenham a habilidade de explorar os recursos da nuvem.

O primeiro passo para pensar em uma cloud é ter a capacidade de virtualizar. Todavia é possível ter um ambiente baseado em virtualização que não atenda todos os quesitos para ser classificado com uma infraestrutura de nuvem.

Por isso, cada vez mais, o mercado requer profissionais que conheçam virtualização e que saibam trabalhar com o modelo novo de data center, desenhado para este fim. Apesar de muita tecnologia estar sendo virtualizada, ainda “falta gente com competência apurada nesse segmento”, constata o professor da BandTech.

2. Programação e desenvolvimento de aplicativos

“Saber programar é sempre e será um grande diferencial em qualquer função de TI que o profissional deseja atuar”, afirma Melo. Esta habilidade é importante, não só para quem atua com programação, mas também em outras áreas, como, por exemplo, o profissional de rede e banco de dados, em que o conhecimento de programação passa ser um diferencial para prover automação e escalabilidade.

“As empresas querem funcionários que criem tecnologias com o objetivo de aprimorar processos por meio de programação e desenvolvimento de aplicações”, complementa.

3. Armazenamento de dados

Outra competência em alta é a de armazenamento de dados. “As pessoas falam de computação em nuvem e se esquecem que esses arquivos têm que estar armazenados em algum lugar”, explica Melo. Por isso, há uma demanda crescente de profissionais com capacidade de criar, registrar, armazenar e gerenciar grande quantidade de estoque de dados.

4. Business inteligence

As empresas já aprenderam que inteligência de dados é algo relevante. Apesar de ser uma competência consolidada, as crescentes demandas motivam um campo fértil para expansão e também especialistas com domínio em BI.

5. Big Data

É preciso tratar dados não estruturados e torná-los úteis. Isso demanda profissionais com conhecimentos arrojados, que tenham boa base educacional nas áreas exatas, como cientistas de dados. Big Data é uma das principais prioridades para muitas empresas, mas precisa de pessoas certas para analisar a montanha de informação gerada todos os dias, principalmente a produzida pelas redes sociais.

6. Mobilidade

Em um futuro próximo, as pessoas deixarão de comprar computadores e passarão a utilizar apenas itens móveis. E conforme há o crescimento deste recurso, as empresas passam a precisar, cada vez mais, de profissionais que estejam aptos a lidar com as demandas relacionadas à proliferação de tais dispositivos.

7. IPv6

A “Internet das Coisas” vai gerar um outro conceito computacional, por isso é necessário existir estrutura que permita isso. No entanto, infelizmente, o Brasil ainda é um dos países que pouco fizeram. Muito disso por conta da falta de profissionais capacitados em IPv6.

8. Segurança

Garantir segurança nos ambientes atuais está cada vez mais complexo. Por isso, o mercado tem procurado profissionais que tenham a capacidade não só de construir modelos de segurança, mas também de testá-los, além de serem capaz de atuar quando o problema ocorrer.

9. Soft Skills

Além das competências técnicas listadas acima, cada vez mais as empresas têm reconhecido a importância dos fatores comportamentais no trabalho. Seja para o sucesso dos projetos e processos, ou ainda, para o próprio desenvolvimento profissional, competências globais em gestão têm tido o mesmo peso que os conhecimentos técnicos.

“O ideal é que um profissional tenha um bom equilíbrio entre os hard e os ‘soft skills”, comenta Melo. Para trabalhar essas competências com seus alunos, a BandTec oferece aos estudantes o Programa H, que integra formação humanista aos cursos de TI oferecidos pela instituição.

10. Inglês

Falar inglês na área de TI é essencial. Muitas das tecnologias são desenvolvidas nesse idioma, por isso, assim como uma boa formação, o idioma faz parte das competências necessárias do profissional que escolhe atuar em TI.

“É importante mostrar novos horizontes aos estudantes, preparando-os para o dia a dia das corporações e para diversos desafios da carreira e TI”, conclui Sandro Melo.