Posts com a Tag ‘LTE’

TIM QUER DOBRAR QUANTIDADE DE CIDADES COM 4G ATÉ FINAL DO ANO

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

Operadora pretende entrar em 2017 com a quarta geração de redes móveis disponível em mil cidades. Vai, também cobrir toda a capital do Rio de Janeiro com agregação de portadoras

A TIM aposta alto da expansão de sua rede 4G. O objetivo é ser rápido e aproveitar diferenciais competitivos que outras operadoras têm dificuldade em igualar – como a alta capilaridade da rede usando frequências em 1,8GHz.

A empresa pretende, até o final do ano, atingir a marca de mil cidades com cobertura LTE. No momento, são 520 cidades. O número será alcançado com o refarming do espectro. Os 1,8 GHz eram usados no 2G (GSM) pela tele. Por sua vez, o 2G atualmente concentra 1,5% do tráfego de dados e 20% do de voz.

Além de quase dobrar a lista de municípios atendidos com a rede móvel de quarta geração, a TIM dará atenção especial ao Rio de Janeiro, que se beficiária do legado olímpico. A cidade será a segunda a ter cobertura com agregação de portadoras.

A primeira é Rio Verde, em Goiás, onde a faixa de 700 MHz foi liberada no começo do ano. A pequena cidade tem funcionado como um piloto para a agregação de portadoras. Os resultados alcançados até agora mostram que vale a pena correr para usar a tecnologia. “Em Rio Verde obtivemos velocidades em campo de 60 Mbps. A combinação de faixas tem um caráter muito promissor”, afirma o CTO da TIM Brasil, Leonardo Capdeville.

Haverá uma diferença, porém. Enquanto em Rio Verde a TIM recorre à recém liberada faixa de 700 MHz, no Rio a agregação usará apenas as faixas de 1,8 GHz e 2,6 GHz. Mas a expectativa é grande. “Com os 700 Mhz comprovamos que o alcance é quatro vezes maior que o das estações de 2,6 GHz, sem qualquer interferência na TV”, falou. O Rio terá disponível os 700 MHz apenas em 2018, segundo o cronograma de limpeza da faixa, usada pelas emissoras de TV analógica.

Outra diferença diz respeito ao acordo de RAN sharing com a Oi. Na cidade, TIM e Oi compartilham infraestrutura de 2,5 GHz. Para fazer a agregação, a TIM está instalando equipamentos próprios, adicionais e não compartilhados. Mas isso não alterará o compartilhamento existente, garante o executivo.

 

 

Fonte: http://www.telesintese.com.br/tim-quer-dobrar-quantidade-de-cidades-com-4g-ate-final-do-ano/

TIM testa vídeochamada e voz sobre 4G durante as Olimpíadas

sábado, 13 de agosto de 2016

A Olimpíada transformou a cidade do Rio de Janeiro na mais conectada do Brasil, pelo menos, até o final do ano. Somente na TIM, informa o CTO, Leonardo Capdeville, os sites 4G vão passar de 773 para quase 1,3 mil até dezembro. A cobertura do 3G também foi ampliada passando e 883 para 1003. Os investimentos também estão sendo feitos na região metropolitana e para garantir a qualidade, 90% dos sites da TIM serão conectados por fibra óptica ainda em 2016.

“Temos a convicção de que pelo menos 70% das conexões de dados durante o evento vão ser pela rede 4G. Na Copa do Mundo de 2014, a tecnologia representou apenas 10%. Em junho, chegamos a 40% do tráfego de dados no Rio com 4G. E vamos passar de 50% até dezembro”, enumera Capdeville. O executivo salienta que a infraestrutura da TIM para os jogos começou a ser estruturada há um ano.

E nesse plano, se estruturou o piloto para vídeochamada em LTE, em alta definição, como hoje acontece com as OTTs. Também haverá o teste com o Wi-Fi Calling, chamada de voz por canais de dados por meio do Wi-Fi, onde não houver o sinal da rede 3G ou 4G. O teste, informa Capdeville, será feito com um grupo selecionado pela TIM entre funcionários e parceiros. “Mas ele vai acontecer num período de grande estresse para a rede. E queremos que isso aconteça mesmo”, relata.

Em entrevista à CDTV, do portal Convergência Digital, durante evento realizado no Rio de Janeiro, nesta quinta-feira, 21/07, o executivo da TIM fala ainda sobre os acordos de compartilhamento; garante que não vai ter falta de conexão de dados na Rio 2016 e revela a importância do roaming com os turistas no período. “Somos a única operadora com 4G em 1,8 Mhz, bastante usada em outros países, como os EUA. Fechamos vários acordos internacionais”.

Assistam em http://convergenciadigital.uol.com.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?UserActiveTemplate=site&infoid=43032&sid=17#.V5-mrjsrLIV

Conexão 4G avança, mas 3G ainda é maioria

segunda-feira, 8 de agosto de 2016

O 4G tem sido a salvação econômica das operadoras móveis no Brasil em 2016 ao apresentar uma taxa constante de crescimento. O serviço cresceu 208% em 12 meses e chegou a 36,6 milhões de terminais ativos em maio, de acordo com dados da Anatel, divulgados na semana passada. Mas há uma questão a ser discutida: a cobertura ofertada. Mesmo que muito acima do que estabelece as diretrizes da Anatel para a aquisição das frequências, o 4G – como aconteceu com o 3G – cresce nos municípios de maior desempenho econômico e está presente em 558 municípios, com 55% da população economicamente ativa, ou 9,6% do total de municípios – 5770.

Na disputa das teles, informam os números apurados pelo portal Teleco, a Vivo é a operadora com maior número de celulares 4G ativos com 13.481 milhões. A TIM desponta na segunda posição com 10.433 milhões. A Claro aparece na terceira posição com 7.044 milhões e a Oi na quarta posição com 4.650 milhões. A população atendida com o 4G ficou assim em junho: TIM (55,0%), Claro (48,2%), Vivo (47,2%), Oi (45,7%) e Nextel (5,1%).

As velocidades das redes LTE não são uniformes. Elas tendem a variar entre operadoras. Com dados de fevereiro, de um estudo da Open Signal, o portal Teleco informa que a Vivo possuia a maior velocidade de 4G no Brasil com média de 15 Mbps, seguida da Oi (13 Mbps), Claro (12 Mbps), Tim (9 Mbps) e Nextel (3 Mbps).

Já o 3G – que perde base para o 4G de forma constante – está presente em 4.791 municípios do país, com pouco mais de 700 municípios, ou cerca de 6 milhões de brasileiros ainda sem serviço, ou 3,2% da população.

Mas é fato que em 2062 municípios, o serviço 3G é prestado sem concorrência e por apenas um único provedor. Isso representa que 21 milhões de brasileiros não têm acesso a disputa entre as operadoras. A concorrência entre as quatro grandes operadoras acontece em apenas 438 municípios, que atendem a 20,8% da população, ou 42.607.622 milhões.

 

 

 

 

Fonte: http://convergenciadigital.uol.com.br/cgi/cgilua.exe/sys/

start.htm?UserActiveTemplate=site&infoid=42985&sid=17#.V5-J1DsrLIV

Tecnologia, Smart Cities, e a Internet das Coisas – Huawei apresenta estudo global

sexta-feira, 29 de julho de 2016

Durante o Safe City Summit 2016, evento realizado nos dias 17 e 18 de maio, em Dubai, a Huawei apresentou o estudo global “Cidades Seguras: Uma Revolução Estimulada pela Nova TIC” que destaca as inovações tecnológicas que auxiliam a existência de cidades inteligentes e seguras.

O estudo, realizado em parceria com IHS Critical Communications Group  refere que um projeto de cidade segura é focado na segurança mas visa também ajudar a resolver problemas nas mais diversas áreas, desde os serviços de emergência à energia ou ao transporte. Estes projectos devem também envolver e promover a colaboração de todos os agentes, quer governamentais, quer empresariais, quer das pessoas que vivem e trabalham nas cidades.

A Huawei afirma que as tecnologias que estão na base de uma cidade inteligente e segura são a vídeo-vigilância, LTE e soluções de comando e controlo mas que a Internet das Coisas (IoT) vai ter, sem dúvida, um impacto muito significativo, levando a uma revolução na forma como as cidades estão organizadas.

O IoT vai originar um crescente número de equipamentos e serviços conectados sendo que os mesmos podem ser integrados nas soluções de controlo das cidades e os dados gerados podem, em conjunto com soluções de Big Data e Analytics, ajudar a melhorar a tomada de decisão.

“As cidades modernas enfrentam diversos desafios à medida que a população continua a crescer e o desenvolvimento urbano a se expandir. Isso serve como alerta para que a inovação seja considerada essencial na obtenção de serviços de resposta às emergências mais eficientes e processos mais rápidos no combate às ameaças da segurança pública”, explicou, em nota à imprensa, Thomas Lynch, diretor do IHS Critical Communications Group.

A Huawei indicou que já implementou com sucesso soluções em todo o mundo para ajudar a melhorar os níveis de segurança pública em mais de 100 cidades, de mais de 30 países. Durante o Safe City Summit 2016, KhamisMattar Al Mazeina, da Polícia de Dubai partilhou um dos casos de sucesso com a colaboração da Huawei que permite ter 115 serviços inteligentes acessíveis ao público em todas as esquadras da polícia.

“As novas tecnologias estão redefinindo a infraestrutura da cidade segura. Acreditamos que a visualização e a convergência são componentes importantes das soluções para a cidade segura.”, disse em comunicado Edwin Diender, vice-presidente do segmento para governos e serviços públicos da Huawei. “A colaboração é a chave para garantir uma maior segurança para a população. A Huawei criou uma plataforma de TIC e um ecossistema de parceiros abertos para reunir algumas das equipas mais qualificadas e experientes da indústria e as tecnologias necessárias para a criação de uma ampla gama de soluções confiáveis para a cidade segura”, acrescentou o executivo da companhia chinesa

Leia mais em http://www.bitmag.com.br/2016/05/huawei-apresenta-estudo-sobre-cidades-inteligentes-e-seguras/#95wzSjpmphZtqElo.99

Pouco antes de entrar em Recuperação Judicial – Oi investiu no RJ

quarta-feira, 6 de julho de 2016

De janeiro a março, a Oi investiu R$ 218,7 milhões no Estado do Rio de Janeiro, segundo informou a empresa nesta quarta, 25, alegando ser um montante para redes como uma estratégia de transformação operacional para melhoria da qualidade de serviço. Também no primeiro trimestre, a empresa implantou 33 novos sites com antenas 2G, 3G e 4G na região, incluindo duas novas cidades (Carmo e Sumidouro) com a cobertura de terceira geração. A rede LTE está disponível nas cidades de Belford Roxo, Campos dos Goytacazes, Duque de Caxias, Itaboraí, Macaé, Magé, Niterói, Nova Iguaçu, Petrópolis, Rio de Janeiro, São Gonçalo, São João do Meriti e Volta Redonda.

Os investimentos da Oi no trimestre para o País inteiro foram de R$ 1,204 bilhão, um aumento de 12,3% em relação ao ano anterior. Isso significa que o investimento para o Rio de Janeiro foi cerca de 18% do total do Capex entre janeiro e março deste ano. A companhia afirma estar concentrando esforços para o plano de longo prazo baseado em convergência, digitalização, austeridade nos custos e experiência no cliente.

Vale lembrar que na semana passada a Anatel aprovou o Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) da Oi prevendo a troca de R$ 1,5 bilhão de multas aplicadas e estimadas por investimentos de R$ 3,2 bilhões em quatro anos. Entre as determinações da decisão do Conselho Diretor, está a proposta de trocar a rede de cobre principalmente na Baixada Fluminense, beneficiando 1 milhão de domicílios.

Mas, notícias recentes informam que a Oi entrou em recuperação judicial. Qual será o futuro desta empresa que tem investido tanto no setor de TI ?

 

Fontes:

http://www.mobiletime.com.br/25/05/2016/

oi-investiu-r-218-7-milhoes-no-rio-de-janeiro-no-primeiro-trimestre/440367/news.aspx

http://g1.globo.com/economia/negocios/noticia/2016/06/

oi-entra-com-pedido-de-recuperacao-judicial.html

 

 

REDE LTE – Brasil em 4º na America Latina

terça-feira, 5 de julho de 2016

 

A 5G Américas, entidade que representa fornecedores de tecnologias de telefonia móvel, divulgou hoje, 02, um ranking para a penetração das redes LTE nos diversos países da América Latina. O Brasil, maior país da região em área e população, ficou em quarto lugar, com cerca de 15,51% das pessoas com acessos do tipo. O ranking considera a quantidade de linhas sobre o total da população no primeiro trimestre do ano.

O Uruguai é o primeiro colocado, com 55,88% das pessoas usando o LTE. O Chile vem em segundo (20,22%), e a Argentina em terceiro (16,02%). Considerando a região, o índice apresenta penetração LTE de 11,35% sobre o total da população latino-americana. Isto representa um crescimento de 2,44 pontos percentuais frente ao quarto trimestre de 2015, quando a penetração total da América Latina era de 8,91%.

O índice confirma que a América Central continua sendo a região mais lenta para adoção da LTE na América Latina, com 3 mercados da área: Honduras, Guatemala e Nicarágua – exibindo níveis de penetração inferiores a 1%. El Salvador e Cuba mantém-se como os únicos dois mercados da região sem nenhuma rede LTE com oferta comercial destes serviços durante o primeiro trimestre de 2016.

O índice de penetração da LTE foi elaborado pela 5G Americas com informações estatísticas fornecidas pelas consultorias: 451 Research, Carrier & Asociados (Argentina), ITC SA (Uruguai), Ovum, Teleco (Brasil), The Competitive Intelligence Unit – The CIU (México), e dados populacionais da Comissão Econômica para América Latina e Caribe (CEPAL).

 

Fonte: http://www.telesintese.com.br/brasil-e-o-4-pais-da-america-latina-em-uso-lte/