Posts com a Tag ‘internet’

Conexão 4G avança, mas 3G ainda é maioria

segunda-feira, 8 de agosto de 2016

O 4G tem sido a salvação econômica das operadoras móveis no Brasil em 2016 ao apresentar uma taxa constante de crescimento. O serviço cresceu 208% em 12 meses e chegou a 36,6 milhões de terminais ativos em maio, de acordo com dados da Anatel, divulgados na semana passada. Mas há uma questão a ser discutida: a cobertura ofertada. Mesmo que muito acima do que estabelece as diretrizes da Anatel para a aquisição das frequências, o 4G – como aconteceu com o 3G – cresce nos municípios de maior desempenho econômico e está presente em 558 municípios, com 55% da população economicamente ativa, ou 9,6% do total de municípios – 5770.

Na disputa das teles, informam os números apurados pelo portal Teleco, a Vivo é a operadora com maior número de celulares 4G ativos com 13.481 milhões. A TIM desponta na segunda posição com 10.433 milhões. A Claro aparece na terceira posição com 7.044 milhões e a Oi na quarta posição com 4.650 milhões. A população atendida com o 4G ficou assim em junho: TIM (55,0%), Claro (48,2%), Vivo (47,2%), Oi (45,7%) e Nextel (5,1%).

As velocidades das redes LTE não são uniformes. Elas tendem a variar entre operadoras. Com dados de fevereiro, de um estudo da Open Signal, o portal Teleco informa que a Vivo possuia a maior velocidade de 4G no Brasil com média de 15 Mbps, seguida da Oi (13 Mbps), Claro (12 Mbps), Tim (9 Mbps) e Nextel (3 Mbps).

Já o 3G – que perde base para o 4G de forma constante – está presente em 4.791 municípios do país, com pouco mais de 700 municípios, ou cerca de 6 milhões de brasileiros ainda sem serviço, ou 3,2% da população.

Mas é fato que em 2062 municípios, o serviço 3G é prestado sem concorrência e por apenas um único provedor. Isso representa que 21 milhões de brasileiros não têm acesso a disputa entre as operadoras. A concorrência entre as quatro grandes operadoras acontece em apenas 438 municípios, que atendem a 20,8% da população, ou 42.607.622 milhões.

 

 

 

 

Fonte: http://convergenciadigital.uol.com.br/cgi/cgilua.exe/sys/

start.htm?UserActiveTemplate=site&infoid=42985&sid=17#.V5-J1DsrLIV

Fabricantes de computador ainda tem mercado !

domingo, 7 de agosto de 2016

O Gartner estimou que o mercado mundial de computadores ainda tem várias oportunidades de lucros para fabricantes de PC, apesar de ter registrado uma de suas mais baixas taxas de crescimento no primeiro trimestre de 2016.

“Os computadores já não são a primeira ou única escolha dos usuários para acessar a Internet. Nos últimos cinco anos, as vendas globais de PCs tradicionais (desktop e notebooks) caíram de 343 milhões de unidades em 2012 para cerca de 232 milhões de unidades em 2016. Em termos de receita, o mercado global de computadores tinha em 2012 um contrato de US$ 219 bilhões. Para 2016, a expectativa é de US$ 122 bilhões”, afirma Meike Escherich, analista de Pesquisa do Gartner.

Muitos fabricantes intermediários de computadores estão enfrentando dificuldades. “Eles estão reduzindo severamente sua presença nacional e regional ou deixando o mercado de computadores por completo. A Acer, a Fujitsu, a Samsung, a Sony e a Toshiba perderam 10,5% de participação no mercado desde 2011. No primeiro trimestre de 2016, a Dell, HP Inc. e Lenovo ganharam participação, mas registram declínio ano a ano”, explica Escherich.

Os negócios regionais também estão mudando. O preço baixo do petróleo e as incertezas políticas levam a um agravamento da economia no Brasil e na Rússia, fazendo com que estes países deixem de ser impulsionadores de crescimento. Em termos de volume, os Estados Unidos, a China, a Alemanha, o Reino Unido e o Japão permanecem como os cinco primeiros do ranking, mas seus consumidores também diminuíram o número de computadores por domicílio.

“No entanto, os PCs ainda são capazes de atuar em áreas onde os smartphones e tablets não podem, com telas maiores, teclados ergonômicos, maior capacidade de armazenamento e processadores mais potentes. Com um mercado saturado e com a queda nos ASPs (do inglês “average selling price”ou preço médio de venda), os fabricantes de computadores devem focar na otimização da rentabilidade para sustentar o crescimento”, afirma Tracy Tsai, vice-presidente de Pesquisa do Gartner.

 Captação da crescente demanda por ultraportáteis premium

Apesar do declínio do mercado de computadores, o segmento ultraportátil premium é o único com a certeza de alcançar um crescimento de receita este ano. Estima-se que o mercado chegue a US$ 34,6 bilhões, um aumento de 16% em relação a 2015. Em 2019, o Gartner prevê que a indústria de modelos ultraportáteis premium se tornará a maior do mercado de PCs em termos de receita, com US$ 57,6 bilhões.

“O mercado ultraportátil premium também é o mais lucrativo em comparação com o de entrada, em que computadores custam até US$ 500 e têm uma margem bruta de 5%. Esse percentual pode alcançar até 25% para PCs ultraportáteis premium superiores a US$ 1.000”, explica Tracy.

O segmento continuará a crescer devido à demanda de substituição de computadores tradicionais e à experiência de toque que o mercado dois-em-um (tablets e híbridos) fornece. Há uma expectativa de queda lenta para o ASP do segmento de ultraportáteis premium podendo chegar a US$600 em longo prazo. Esta situação, junto com os inovadores produtos dois-em-um, irá motivar os usuários não somente a substituírem seus computadores, mas também a trocarem por um dispositivo com mais funcionalidade e flexibilidade.

Dessa forma, os fabricantes de PCs precisam ajustar seu portfólio de ultraportáteis premium em mercados como a América do Norte, Europa Ocidental, China, Ásia/Pacífico e Japão, onde o segmento continua a crescer.

 

Capitalizar na rentabilidade em longo prazo do mercado de computadores para jogos

Embora o mercado de computadores para jogos seja pequeno, com somente alguns milhões de unidades vendidas por ano, o ASP de um modelo desse tipo é significativamente maior do que o de um PC comum. Seu valor médio de venda varia de US$ 850 – opção de entrada de notebook para jogos – a US$ 1.500 para uma versão premium.

“Os modelos de ponta do segmento de computadores fabricados para jogos devem ser o foco dos fabricantes, pois, apesar da alta competitividade, apresentam maior rentabilidade em longo prazo”, afirma Tracy.

 

A Internet das Coisas está cheia de oportunidades

As empresas de PCs também precisam olhar para o mercado de Internet das Coisas (Internet of Things – IoT) e identificar as áreas que possuem maior potencial para lucro. Por exemplo, podem usar a IoT para melhorar os produtos e os serviços para o cliente.

“Os fabricantes podem detectar com sensores se a bateria está ficando muito quente ou se o HD está sendo sobrecarregado e enviar um alerta ao cliente para verificarem o computador antes que ele desligue. Isso pouparia custos de operação dos produtores e também ajudaria os usuários com um serviço melhor”, conclui Tracy.

 

Fonte: http://ipnews.com.br/oportunidades-de-lucro-para-fabricantes-

de-computadores-ainda-sao-boas-diz-gartner/

O mercado global de serviços de voz sobre IP, VoIP, vai valer US$ 193,9 bilhões em 2024, segundo um novo relatório da consultora Persistent Market Research.

quinta-feira, 21 de julho de 2016

 

No ano passado, o mercado de VoIP valeu US$ 85 bilhões, o que antecipa um crescimento de 9,5% ao ano até 2024. Os principais players são, segundo a PMR, a Vonage Holdings Corporation, 8×8, ShoreTel Nextiva, RingCentral, West Corporation, Verizon Communications, Thinking Phone Networks, Inphonex e Phone Power.

Neste momento, o mercado de serviços é impulsionado sobretudo por fatores como baixos custos de manutenção, maior flexibilidade e baixos requisitos em termos de suporte. O relatório também menciona a crescente penetração do acesso à internet nas cidades e áreas semi-urbanas

No entanto, refere, a flutuação na qualidade do acesso à internet pode afetar o crescimento do mercado. Durante as horas de pico, a rede pode estar congestionada, e tal é um dos principais obstáculos possíveis ao crescimento do mercado de serviços VoIP

A região com maior peso neste mercado será a Ásia-Pacífico, imediatamente seguida pela Europa. No velho continente, o crescimento será atribuído sobretudo à introdução de um grande número de empresas de pequena e média dimensão. Por outro lado, a expansão do mercado de comunicações unificadas na Bélgica deverá suportar o alargamento do mercado na Europa, diz a PMR. A taxa de crescimento anual será de 8,4%, em termos de receitas.

No entanto, é na América Latina que se encontram as taxas de crescimento mais rápido, prevê a consultora. Na América do Norte, que em 2015 teve um peso global de 27%, a expansão será moderada. “A adoção crescente de políticas ‘bring your own device’ (BYOD) é um grande fator que irá impulsionar o mercado de serviços”, lê-se no relatório.

O segmento das chamadas internacionais de longa distância dará o maior contributo em termos de valor já no final deste ano, seguido das chamadas locais.

No que respeita a usuários, o segmento dos clientes individuais crescerá mais rapidamente, a uma taxa de 9,2% ao ano.
Leia mais em http://www.bitmag.com.br/2016/05/mercado-de-servicos-voip-vai-valer-us-194-bilhoes-em-2024/#tiZ1oAiX31wq9QpZ.99

 

Anatel se omite, e brasileiros podem ter sua franquia de banda larga ainda pior!

terça-feira, 12 de julho de 2016

 

Franquia de banda larga: Anatel descarta regular ou controlar provedores Internet

 

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) não vai regular ou controlar os modelos de negócio das empresas prestadoras de acesso à Internet, deixando-as livres para optar entre colocar ou não a franquia de dados, defendeu o presidente da agência, João Rezende, durante o 8º ISP, evento realizado pela Abrint nesta semana em São Paulo. Interferir nos modelos de negócio, alega Rezende, seria um desincentivo à expansão de rede.

O debate sobre franquia de dados ganhou força depois de a Vivo anunciar a intenção de incorporar a franquia na banda larga fixa. Na sua participação na Abrint, o secretário de inclusão digital e internet do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações, Maximiliano Martinhão, classificou a decisão da tele como uma ‘falha muito grande de comunicação’ que terminou por gerar uma polêmica desnecessária, uma vez que a medida está prevista na legislação.

Após a repercussão, a Anatel proibiu por 90 dias as operadoras de serviços de Internet em banda larga de restringir a velocidade, suspender serviços ou cobrar excedente caso seja ultrapassado limites da franquia. Para Rezende, qualquer alteração nos contratos deve seguir regras claras, mas o presidente da Anatel lembrou que nada impede a cobrança da franquia.

O maior empecilho, destacaram ambos os representantes do governo, é a falta de ferramentas para monitorar o consumo de dados, principalmente, por parte dos usuários. “Melhores mecanismos para detalhar o uso de dados têm de ser apresentados. Os usuários precisam de ferramentas para acompanhar o consumo de dados”, pontuou Rezende, para quem a maioria das empresas provedoras de banda larga fixa não tem hoje capacidade de adotar ferramentas para usuários acompanharem consumo de dados.

“A Internet deixou de ser lazer e passou a ser trabalho, educação, saúde. É normal que as pessoas reajam com a intensidade que foi”, destacou Maximiliano Martinhão. “É fundamental que o consumidor não seja prejudicado e abusos não serão aceitos no processo de estabelecer franquia, mas precisamos entender que o sistema tem de ser rentável”, ressaltou o secretário.

Martinhão disse ainda que o ministério realizou benchmarking para entender os modelos de negócios praticados em outros países. “Não vimos nenhum país que determine que só haja um determinado tipo de plano; existe liberdade e o usuário escolhe o seu em função da característica de consumo e renda escolhe o plano mais adequado”, completou.

 

 

Fonte: http://convergenciadigital.uol.com.br/cgi/cgilua.exe/

sys/start.htm?UserActiveTemplate=site&infoid=42534&sid=4

Cinco dicas para aumentar o foco em segurança digital

segunda-feira, 19 de maio de 2014

A falta de experiência em segurança digital, aliada à crescente complexidade das ameaças e redes, ambiente regulatório elevado e ritmo intenso de inovação, estão provocando movimentações nas companhias. Elas começam a olhar para fora de seus “muros de proteção digital”, o que deverá estimular muitas a investirem em outsourcing. Um estudo do Gartner indica que o mercado mundial de terceirização de segurança atingirá mais de US$ 24,5 bilhões, em 2017.

O desafio é encontrar recursos financeiros para lidar com a cibersegurança evoluindo de uma forma eficaz. Para entender melhor as táticas cada vez mais eficazes dos hackers e se proteger, as organizações precisam mobilizar todos os aspectos de sua defesa estendida e do ataque contínuo – antes da invasão acontecer, agindo antes, durante e depois.

É importante avaliar se o ataque foi destrutivo e se as informações foram roubadas ou sistemas danificados. Esse tipo de novo modelo de segurança está impulsionando mudanças nas tecnologias de segurança digital, produtos e serviços.

A primeira onda de fornecedores de serviços gerenciados de segurança (MSSPs) foi focada em produtos e ferramentas em funcionamento, manutenção, atualizações e treinamento. Porém, atualmente, os serviços de segurança digital precisam ser baseados em uma evolução constante e profunda das ameaças. Alguns analistas do setor estão começando a chamar essa nova ordem de serviços de proteção digital de MSSP 2.0.

Com base nas tarefas internas de segurança, orçamentos e prioridades dos negócios, as organizações podem optar por terceirizar mais ou menos as suas necessidades de segurança digital.

Veja a seguir cinco dicas que podem ajudar a garantir que sua empresa mantenha o foco em proteção:

1- Mantenha a capacidade plena de incorporar metadados HTTP em um modelo de telemetria que forneça a profundidade de informações necessárias para ajudar na detecção de ameaças baseadas na web.

Quanto mais dados, maior será a eficácia do MSSP em zerar problemas na rede e isso se torna precioso, já que é como “procurar uma agulha em um palheiro”;

2- As técnicas de análise de Big Data são essenciais para alavancar a grande quantidade de dados obtidos, e não apenas internamente, mas em toda a empresa, em nível global.

Esse mapeamento é muito importante a fim de detectar possíveis ameaças. Independente do número de telemetria utilizado, ao aplicar análises de dados robustas, ao invés, de realizar correlações simples, tem-se a certeza de que as detecções serão de alta fidelidade;

3- Conforme o tipo de dados na rede da empresa, os requisitos de segurança podem variar, dentro das garantias do MSSP. A equipe de TI precisa determinar qual será a abordagem para enfrentar os invasores e se serão necessárias ações alternativas. Essa decisão deve partir do nível de conforto dos profissionais, as partes afetadas legalmente e laudos técnicos;

4- Os dados são muito úteis para as organizações e, por isso, devem existir e garantir que eles serão correlacionados para fornecer o contexto certo, com informações priorizadas. Assim, os profissionais poderão se concentrar nas ameaças realmente relevantes. Entender o MSSP é vital para determinar à organização quais são os verdadeiros focos de problema no sistema e ter acesso a dados altamente confiáveis;

5- Para detectar e se proteger contra “ameaças de dia zero”, as empresas devem ir além do tradicional point-in-time, visualização limitada dos sistemas, e contar com capacidades que permitam monitorar e aplicar a proteção em uma base contínua em toda a sua rede estendida.

Considerando os negócios atuais, regulamentações e segurança digital, as empresas estão cada vez mais olhando para fora de suas dependências físicas em busca de ajuda especializada para se proteger de ataques. Aplicando essas dicas, as organizações conseguirão manter o foco nas ameaças, obtendo a melhor proteção possível.

* Raphael D’Avila é diretor de vendas para Sourcefire no Brasil, empresa comprada recentemente pela Cisco

Especialistas apostam que em 11 anos a ‘internet das coisas’ será comum

sexta-feira, 16 de maio de 2014

Em uma década a humanidade terá sido transformada pela adoção em massa do conceito de “internet das coisas”, segundo o qual objetos, de casa ou pessoais, serão conectados por sistemas para conversarem entre si. Pelo menos é o que acredita a maioria dos especialistas de tecnologia.

A Pew Research realizou uma pesquisa com 1,6 mil experts e nada menos que 83% deles acreditam que até 2025 a internet das coisas terá entrado de vez nas vidas das pessoas.

A maior parte deles acredita que os dispositivos vestíveis, como óculos, relógios etc., puxarão o setor, mas produtos que conectem a casa, como lâmpadas, geladeiras e lavadoras inteligentes, também terão grande responsabilidade.

Para isso acontecer, entretanto, é preciso que as empresas passem a cooperar, porque hoje cada uma prefere trabalhar só com um sistema próprio, o que impede a geladeira da Samsung de se comunicar com o fogão da LG, por exemplo.

Além disso, esse nível de conectividade exigirá mais atenção quanto à privacidade dos usuários, como destaca o Mashable.

Por Redação Olhar Digital

Crianças aprendem a navegar na internet antes de saber amarrar cadarço

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

Ver uma criança de com até dois anos de idade brincando com um celular tornou-se algo comum. A chamada geração Alpha, de crianças nascidas depois de 2010, é principalmente conhecida por interagir com a tecnologia desde o nascimento. Segundo uma pesquisa da AVG Technologies, 57% das crianças de até cinco anos sabem usar aplicativos em smartphones, mas somente 14% sabem amarrar os sapatos.

Por trás dessa intimidade com a tecnologia, existem riscos de segurança que muitos pais ignoram. Além do perigo da aproximação de estranhos com as crianças por meio da internet, malwares podem ser prejudiciais aos computadores e dispositivos móveis e permitem o roubo de dados pessoais dos usuários.
“Por mais que a criança saiba mexer no dispositivo, ela não consegue diferenciar o que é bom e o que é ruim. Se alguma página em que ela entrou pedir o número de telefone, ela não vai saber o porquê desse pedido”, exemplifica o especialista de segurança da Symantec Nelson Barbosa. Neste momento, os pais não podem deixar de saber o que a criança está fazendo. “Não existe um malware específico para atingir crianças, vai depender do comportamento dos pais. E muitos têm o hábito de emprestar seus tablets e smartphones para distrair os filhos sem monitorá-los”, diz o diretor da McAfee José Matias Neto.

A superexposição dos filhos em redes sociais também traz riscos de crimes virtuais, sequestro de dados e malwares. Muitos pais registram fotos de cada momento da criança, desde um ultrassom até detalhes do dia a dia, incluindo os lugares onde ela foi e a escola em que estuda. O compartilhamento nas redes sociais pode parecer natural e refletir a empolgação dos pais com os filhos, mas ser cauteloso é essencial para evitar problemas.

Confira dez dicas para proteger seus filhos na internet:
1. Antes de postar fotos do seu filho ou criar um perfil para ele nas redes sociais, considere a idade dele e pense se você está fazendo isso por você ou por ele. Seu filho vai entrar na vida digital de qualquer maneira, vale a pena antecipar?

2. Antes que a criança entre no mundo digital, converse com ela sobre os perigos, ensine-a sobre o que é seguro ou não compartilhar e reforce que ela não deve conversar ou marcar encontros com estranhos.

3. Vale também ensiná-las a não enviar nenhum dado pessoal por SMS ou e-mail sem ter certeza de quem é o destinatário.

4. Defina quanto tempo e em qual momento do dia é ideal para seu filho ficar conectado.

5. Bloqueie conteúdos impróprios relacionados a sexo, drogas, entre outros. Muitos programas possuem ferramentas para isso, como a SafeSearch, do Google.

6. Tenha um software de segurança em todos os seus dispositivos e mantenha-o atualizado. Na hora de escolher, opte por um que tenha funções de controle parental.

7. Além do computador, controle a navegação no smartphone e no tablet. Isso pode ser feito checando o histórico dos navegadores.

8. Monitore as conversas nos programas de mensagens instantâneas e certifique-se de que eles podem bloquear o seu número de telefone, endereço de e-mail ou qualquer outro dado pessoal.

9. Se mantida aberta, a conexão Wi-Fi pode ser uma porta de entrada para cibercriminosos. Crie senhas seguras para o Wi-Fi, sem utilizar palavras comuns, data de aniversário, número da casa, entre outras senhas previsíveis.

10. Fique atento quando a criança usa outros dispositivos, como Smart TVs e consoles de games, que se conectam à internet e possuem chats de bate-papo.

Terra

Para a Anatel, dificuldade de acesso à internet móvel é o principal problema das operadoras brasileiras

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

A dificuldade de acesso à internet móvel ainda é o principal problema da telefonia móvel no Brasil. Segundo divulgado no relatório trimestral da Anatel, publicado nessa sexta-feira, a Claro foi a única operadora entre as quatro grandes a cumprir a meta de sucesso nas conexões à internet.
O levantamento mostrado hoje é o quarto feito pela agência, com informações sobre a qualidade do serviço prestado pelas operadoras. Os dados se referem ao período entre maio e julho deste ano, e avaliam quatro indicadores (taxa de sucesso nas conexões de internet, taxa de sucesso no acesso à rede de voz, queda de chamadas e queda nas conexões de internet).
A Anatel afirma que Claro, Oi, TIM e Vivo cumpriram as metas fixadas para os três últimos indicadores, mas a meta de 98% de sucesso nas conexões à internet foi descumprida por Oi, TIM e Vivo. Enquanto a Claro obteve variação entre 98 e 99% de sucesso em conexões, a Oi ficou entre 95 e 96%, enquanto TIM e Vivo obteve 96% de sucesso.
A Anatel acompanha os índices de qualidade dos serviços desde o ano passado, por conta do aumento no número de reclamações dos clientes. Em julho de 2012, a agência suspendeu as vendas de chips da Oi, Claro e TIM nos estados onde as empresas eram campeãs de queixas. As vendas só foram retomadas após as companhias se comprometerem a investir em melhorias em suas redes e em seus canais de atendimento.
O acompanhamento vai durar dois anos, e tem como meta verificar os problemas apresentados pelo setor de telecomunicações, e exigir uma solução das empresas para esses problemas.

Praça digital em Indaiatuba

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Foi implantado em julho de 2012 um projeto de internet gratuita na praça Rui Barbosa em Indaiatuba. A Praça contém conexão sem fio liberada e abertura dos sinais de internet para qualquer pessoa que frequentar o local.
Este, será implantado também em outros locais, sendo o próximo, na rodoviária. Não é só uma medida que visa o lazer e sim também para pessoas que precisam utilizar a internet para trabalhar e estudar.
O funcionamento é bem simples, a pessoa recebe um cartão disponibilizado e raspa-o recebendo um código, com este, ele acessa a internet e tem oito horas para usa-la, podendo ser, seguidas ou fracionadas.
Com este projeto Indaiatuba se tornou a primeira cidade da Região Metropolitana de Campinas (RMC) a ter internet gratuita em praças.

Alinhar cloud computing e negócio é vital

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Pesquisas indicam que o tráfego global na internet gerado pelo uso de serviços de cloud computing aumentará 12 vezes até 2015.
Para aqueles que estão em busca de expansão dos negócios e não sabem se a nuvem esta alinhada ao planejamento estratégico da empresa, veja 5 dicas para ajudar na identificação:

1. Menor custo de propriedade: A migração de dados críticos pode significar mais rentabilidade do que manter um hardware nas instalações da empresa. Como seus dados são armazenados na infraestrutura do provedor de serviços não é necessário investir na compra de equipamentos, manutenção ou atualização do servidor.

2. Continuidade dos negócios: Ao migrar os dados da companhia para a empresa especializada no fornecimento de soluções de computação em nuvem, a organização não estará investindo só em uma solução de armazenamento off-site, mas também tendo um pouco mais de tranquilidade. Porque, provedores de solução em nuvem contam com funcionários treinados pronto para responder a emergência 24 horas por dia, garantindo que a companhia tenha acesso a arquivos e aplicações de negocio. As informações estarão seguras graças ao fato de que são replicadas para outro local.

3. TI sob demanda: A solução em nuvem pode crescer rapidamente para atender a demanda de funcionários e clientes. Conforme os negócios vão crescendo, a solução pode ser rapidamente escalada para atender as crescentes necessidades. Para empresas que dependem de venda na web essa movimentação deve ser muito importante como representatividade significativa da receita.

4. Mobilidade: A companhia e funcionários podem ter acesso a importantes informações em qualquer lugar e a qualquer hora, basta ter acesso a internet. Isto reflete no aumento da produtividade. É possível acessar, trabalhar e atualizar dados de missão critica, como uma apresentação de power point, a partir do escritório, antes de que o pessoal de vendas use do outro lado do país.

5. Concorrência acirrada: A empresa não precisara investir em infraestrutura, atualização e manutenções. Poderá contar com tecnologias emergentes, pois os provedores de nuvem, para reter seus clientes, cuidarão disso.