Arquivo de novembro de 2013

A importância da TI nas estratégias de negócio

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Tenho participado de inúmeros eventos com CIOs e gerentes de TI e observo, com apreensão, que muitas empresas ainda olham e agem como se a área fosse meramente operacional. Desta forma, acabam podando as iniciativas inovadoras dos CIOs. Além disso, também há certa relutância por parte de alguns destes profissionais em adotar novos conceitos e tecnologias.

Entretanto, é inevitável buscar a inovação – ela é considerada a principal responsável pelo aumento das receitas das empresas nos próximos anos. Na prática, com o contínuo aumento da competição causada pela globalização e a crescente digitalização da sociedade, a simples busca por maior produtividade e custos menores tornou-se básica, uma obrigação para se manter no mercado, embora insuficiente para melhorar sua competitividade. A globalização exige que as empresas brasileiras, para serem competitivas, mantenham-se, no mínimo, em igualdade de condições tecnológicas com seus concorrentes externos.

Os sinais de fumaça, indicadores que as mudanças são inevitáveis, estão aparecendo em todos os lugares. O cenário de negócios, em consequência, está cada vez mais complexo e instável. O resultado é a deterioração dos resultados em muitas empresas e o aumento significativo da possibilidade destas e, às vezes, do próprio setor onde elas operam, sofrerem uma ruptura tecnológica que vai afetar a sobrevivência.

Como a tecnologia está cada vez mais inserida no negócio, podemos até nos arriscar a dizer que no futuro não teremos mais “TI fazendo parte do negócio”, mas “o próprio negócio sendo TI”. O tempo em que existia um setor de TI isolado, definitivamente, já passou. As empresas que ainda estão no estágio de buscar alinhamento entre TI e negócio perderam o trem. Ele já saiu da estação e elas tem que dar um salto de escala para se reposicionarem. Questão de sobrevivência.

Para recuperar o tempo perdido, a postura relutante tem que ser transformada em ações proativas. Os CIOs devem atuar como advisors, direcionando as estratégias digitais da corporação e identificando quais tecnologias farão diferença competitiva. Esta é uma mudança e tanto. De maneira geral, com uma TI com postura operacional, as empresas fazem seu plano estratégico e, então, escrevem o famoso Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI). Agora, não é mais possível pensar em estratégias de negócio sem TI, pois uma se confundirá com a outra.

Apesar dos desafios, os CIOs estão muito bem posicionados para cumprirem este novo papel. TI é uma área que já consegue visualizar toda a empresa. Uma área de TI que implementou um ERP ou outros sistemas já teve contato com a maioria dos processos de negócio. É uma posição privilegiada, que não pode e nem deve ser desperdiçada.

Contudo, é importante que o CIO desenvolva novas capacitações e habilidades, indo além do conhecimento das tecnologias. O CIO não deve assumir mais o papel de CTO e gastar a maior parte de seu tempo com fornecedores em discussões técnicas. Deve estar engajado em debates com executivos de negócio, estratégias da empresa e ameaças e riscos que afetam seu setor de indústria. Deve ser fluente na linguagem do negócio e não em terabytes, siglas de servidores e versões de sistemas operacionais. Deve saber vender a tecnologia como meio de inovar os negócios, ou seja, habilidades de apresentação, evangelização e motivação são importantes. É uma mudança de mindset e vai exigir, para os CIOs com viés mais técnico, um esforço significativo.

Por sua vez, a empresa deve reconhecer o papel estratégico de TI em seu negócio e posicionar a função adequadamente. Uma TI subordinada a uma gerência financeira ou operacional vai se concentrar nos custos e, dificilmente, terá margem de manobra para influenciar e implantar inovações que afetarão toda a empresa. A função passa, automaticamente, a ter muito mais responsabilidade, pois agora é parte essencial da própria definição das estratégias do negócio. Deixa, então, de ser uma simples operadora de processos automatizados.

Assim, aquele PDI, que simbolizava uma área de TI sempre em stand by, à espera das definições estratégicas, passa a ser a estratégia do negócio. O rápido avanço tecnológico não permite descanso. A tecnologia de ponta de hoje estará comoditizada em pouco tempo e as janelas de oportunidade abrem e fecham com muita rapidez. Apenas as empresas que reconhecerem a TI no nível estratégico conseguirão se manter competitivas na sociedade digital. TI deixa de ser um setor, para ser a própria empresa. Ou pelo menos estará inserida dentro dela.

O que o Mobile Payment trará de novo no Brasil?

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Toda tecnologia, em algum momento, foi alvo de dúvidas ou críticas. Essa é uma reação natural das pessoas ao novo, pois o desconhecido sempre traz um certo desconforto. Pense nas grandes invenções, como a eletricidade, a pólvora ou até mesmo a roda. Muitas pessoas olharam para estas novidades e sentenciaram “isso não terá futuro”. Mas o fato é que quem arriscou criar estas inovações mudou a história da humanidade.
Um exemplo de tecnologia que acredito que será considerado um marco tecnológico – como o início do uso da internet, por exemplo – é o sistema de pagamentos via celular. O mobile payment, também conhecido como m-payment, possibilita que o usuário não precise mais “andar” com dinheiro ou cartões, pois o aparelho celular assume suas funções. No último dia 4 de novembro, o Banco Central divulgou o marco regulatório dos meios eletrônicos de pagamento, que normatizará as transações financeiras por serviços móveis. As regras passarão a valer a partir de maio de 2014.
Muito tem se falado das possíveis consequências do m-payment para a economia e para os consumidores. Trata-se de um novo recurso tecnológico que pode facilitar, e muito, o cotidiano de compras de muitas pessoas e movimentar ainda mais a economia. A nova tecnologia enfrentará alguns desafios, mas o aumento do acesso às tecnologias móveis que temos hoje certamente será o grande primeiro passo.
Em 2013, a venda de smartphones superou a de celulares convencionais pela primeira vez no Brasil, segundo a consultoria IDC. Muitos já o utilizam como ferramenta de compras on-line, mas esse hábito deve ficar ainda mais em evidência nos próximos anos. O m-payment possivelmente irá substituir boa parte das compras realizadas com cartões de crédito. Quem não prefere ir até o mercado e pagar a conta apenas levando seu celular no bolso e deixando a carteira em casa? Além de ser mais fácil, também possibilita o acesso a fatura no mesmo instante da compra, permitindo um controle maior de suas finanças.
O que eu tenho visto com frequência nos debates sobre o tema são questionamentos referentes à segurança. As pessoas temem que seus dispositivos sejam roubados e que, com eles, o ladrão consiga “limpar” a sua conta bancária. Como já disse antes, é natural que as pessoas se sintam inseguras frente às novas tecnologias, mas existem formas de prevenir isso.
O mercado também está atento a essa mudança. Além da facilidade de vendas, deve haver a entrada de mais empresas no comércio. Micro e pequenos empreendedores, que muitas vezes trabalham apenas com cheques ou dinheiro, poderão oferecer para seus clientes mais esta facilidade para seus clientes. Além disso, devemos considerar que há um público em potencial que pode ser incluído, em longo prazo, nessas compras: as pessoas que não possuem conta em banco. Isso porque o pagamento através do m-payment não é necessariamente associado às instituições bancárias.
O mobile payment também aparece como uma alternativa para o Estado realizar pagamentos a beneficiários de programas governamentais. Precisamos lembrar que muitos brasileiros não têm conta em banco, mas muitas vezes possui celulares de mais de uma operadora. Isso facilita as transações financeiras, principalmente para as comunidades mais afastadas.
As previsões são otimistas. Estamos vivenciando uma significativa mudança nas nossas formas de pagamento. O tempo nos dirá como essas funcionalidades ajudarão realmente nosso cotidiano, mas é só olhar para nossa história para notar que a tecnologia tem potencial para nos surpreender e para fomentar uma sociedade ainda mais moderna. É esperar para conferir.
Por João Moretti, diretor geral da MobilePeople – empresa especializada em soluções móveis corporativas

Operadoras engatinham no mercado de computação em nuvem no Brasil

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

As operadoras de telecomunicações do Brasil ampliaram sua oferta de serviços de computação em nuvem para clientes corporativos, mas apesar dos esforços, ainda engatinham para ganhar a confiança dos clientes num mercado dominado por gigantes internacionais de tecnologia e empresas especializadas em data centers.

A computação em nuvem (ou cloud computing, em inglês) é o uso de memória e poder de processamento de computadores e servidores compartilhados e interligados por meio da Internet.

O uso dessa tecnologia tem se intensificado nos últimos anos, mas ainda se trata de um mercado pequeno no país, disse diretor da empresa de pesquisas IDC, Alexandre Campos Silva.

O mercado é atualmente dominado por gigantes como Microsoft, IBM, SAP e Oracle, e por empresas especializadas, como Alog, Locaweb e Totvs.

“Como para oferecer cloud é preciso links de Internet, providos pelas operadoras, elas vislumbraram oportunidade de entrar num mercado crescente em que podem obter receitas”, disse Silva.

A expectativa é que o cloud computing movimente 257 milhões de dólares no Brasil em 2013, podendo atingir 798 milhões de dólares em 2015, segundo o IDC.

Para os clientes corporativos, a vantagem da nuvem é o custo menor na comparação com um servidor físico, além de ser um serviço flexível, em que a companhia pode aumentar ou diminuir a capacidade de armazenamento e processamento de acordo com suas necessidades e a sazonalidade do negócio.

A Vivo entrou no segmento em abril de 2012 com foco em companhias de grande porte. A operadora não informou o número de clientes, mas disse ter mais de 3 mil servidores virtualizados, segundo o diretor do segmento de empresas da Telefonica/Vivo, Maurício Azevedo.