Posts com a Tag ‘hackers’

ancos começam a realizar transações com a tecnologia bitcoin

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

O mercado de bitcoin começa a mostrar cada vez mais sinais de amadurecimento. Aos poucos pequenas e grandes instituições financeiras começam a utilizar plataformas e sistemas que colaboram para agilizar processos operacionais cotidianos e reduzem os custos e a burocratização de transações.

A exemplo disso, um grupo envolvendo sete bancos, que inclui o Santander, o UniCredit e o CIBC já começaram a movimentar dinheiro real internacionalmente utilizando a tecnologia baseada no sistema blockchain. No mês de junho, os bancos anunciaram que utilizaram ativos digitais na plataforma Ripple como parte de projetos de realização de pagamentos internacionais. Ao invés de operarem transações através de contas em moeda local em bancos de todo o mundo, as instituições financeiras optaram por converter o dinheiro do Ripple, conhecido como XRP, para em seguida concluírem a transação quase que automaticamente. Sem a tecnologia, o processo de compensação demorava de três a cinco dias, além de ser sujeito a erros.

Chris Larsen, presidente-executivo e cofundador da Ripple, declarou que o acordo realizado com os sete bancos representa “um grande marco, talvez um ponto de inflexão” no mercado de moedas digitais. Atualmente, os bancos que utilizam o Ripple incluem o alemão ReiseBank, o suíço UBS, National Bank of Abu Dhabi e o canadense ATB Financial. O blockchain funciona como uma espécie de livro de registros virtuais, constituindo-se em uma plataforma de dados com cópias idênticas distribuídas por diferentes computadores e controlado por várias entidades sem que nenhum órgão sirva como autoridade central, apenas as partes envolvidas nas transações. A tecnologia baseada no sistema tem sido buscada por diversas empresas que procuram maneiras de reformular suas operações e reduzir custos. Apesar de ter considerado em sua revisão anual que sistemas como o Ripple podem aumentar a eficiência de transações financeiras e diminuir os custos de transações, o Conselho de Fiscalização da Estabilidade Financeira dos Estados Unidos também afirmou que os sistemas “apresentam certos riscos e incertezas”. A ressalva foi feita depois que a DAO, organização que utiliza o blockchain da moeda virtual ethereum, sofreu um ataque cibernético onde os hackers levaram cerca de US$ 60 milhões.

 

Fonte: http://corporate.canaltech.com.br/noticia/negocios/

santander-e-outros-bancos-comecam-a-realizar-transacoes-com-a-tecnologia-bitcoin-73619/

Não é mais uma questão de “se”, mas de “quando” será o ataque. Você está preparado?

quinta-feira, 5 de novembro de 2015

Hackers invadem computadores e celulares e sequestram dados

Método de ataque é uma das principais ameaças virtuais de 2015.
Golpe já movimentou mais de R$ 70 milhões pelo mundo.

Fantástico decifra um golpe que tomou conta da internet: o sequestro de dados. Criminosos virtuais invadem computadores e celulares e só liberam os arquivos depois do pagamento de um resgate. Diversas pessoas, empresas e até prefeituras no Brasil já foram afetadas pelo golpe.

Para assistir o vídeo, acesse: http://g1.globo.com/fantastico/noticia/2015/10/hackers-invadem-computadores-e-celulares-e-sequestram-dados.html

Fonte: G1 Globo

Falha no Java deixa computadores abertos a ataques de hackers

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

Um novo vírus nos sistemas operacionais Linux, MAC OS e Windows, foi identificado nesta quinta-feira e deve chamar a atenção de seus usuários para possíveis invasões em seus computadores. Segundo os especialista da Kaspersky Lab, que identificaram o vírus, por meio de uma falha no Java os criminosos podem usar uma vulnerabilidade e transformar as máquinas em “zumbis”, usando remotamente para acessar e atacar outros sites e servidores online.

A falha CVE-2013-2465 permite ao hacker adicionar um malware que é copiado no diretório do usuário e executado no sistema operacional. Depois de instalado, o vírus aparece com o nome “jsuid.dat” e possibilita o acesso completo ao computador. Após instalado, o bot é controlado por meio do Irc e usa o framework PircBot para melhorar a comunicação.

Ataques com computadores em modo zumbi são utilizados para avançar contra grandes empresas e governos, como aqueles realizados ao site do Petrobras e da Receita Federal em junho de 2011, na técnica conhecida como ataque distribuído de negação (DDoS).

Após instalado, dificilmente os usuários sabem que sua máquina está sendo utilizada como zumbi, como afirma Fabio Assolini, analista sênior de malware da Kaspersky Labs no Brasil. “As pragas digitais feitas por cibercriminosos mais experientes são programadas para passar desapercebidas no computador infectado da vítima”, disse o executivo.

Para evitar problemas com o Java o especialista deixa como dica atualizar o Java e use bom anti-vírus, ou caso não o use, pode desinstalar o programa.

“Em 2012 registramos que 50% de todas tentativas de infecção feitas pela internet exploravam alguma falha do Java para infectar os internautas, isso se passa porque muita gente não o atualiza. Para usuários que não precisam do Java para nada recomendamos que o desinstale”, explica Assolini. “Basta que o usuário tenha um bom programa anti-vírus e mantenha o Java sempre atualizado”, completa.

Procurada pelo Terra, a Oracle não se posicionou sobre a falha no programa.

As 25 piores senhas de 2013: “123456”, “password” e “abc123” lideram

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

“123456” finalmente conseguiu o nada honroso título de a pior senha do mundo, após passar anos na sombra de “password”.

A empresa de segurança Splashdata, que todo ano divulga a lista com as senhas mais comuns roubadas, descobriu que “123456” subiu para o topo desse ranking em 2013. Até então, “password” tinha dominado essa disputa.

A mudança na liderança tem muito a ver com a Adobe, cuja grande vulnerabilidade de segurança em outubro afetou cerca de 48 milhões de usuários. Uma lista de senhas do vazamento tinha “123456” no topo, seguido por “123456789” e “password”. O tamanho imenso do vazamento teve um grande impacto nos resultados da Splashdath, explicando também porque opções como “photoshop” e “adobe123” aparecem na lista deste ano.

Os defensores de “password” poderia reclamar com razão para a inclusão de um asterisco na lista, já que os códigos roubados da Adobe incluíam mais de 100 milhões de contas inativas e de teste. Por isso, não fique surpreso caso “password” recupere o trono em 2014.

Senhas mais fracas são mais suscetíveis a ataques de força bruta, em que os hackers tentam acessar as contas por meio de tentativas rápidas de descobrir os códigos. E quando senhas criptografadas são roubadas, as mais fracas são as primeiras a caírem para os softwares de cracking cada vez mais sofisticados.

Como sempre, a Splashdata sugere que os usuários evitem palavras e frases comuns nas senhas, e afima que substituir letras por números visualmente parecidos, como I e 1 e 3 e E, não é uma estratégia eficiente. Além disso, a empresa lembra que programas de gerenciamento de senhas também podem te ajudar.

Confira abaixo a lista completa com as piores senhas de 2013, segundo a Splashdata:

1. 123456
2. password
3. 12345678
4. qwerty
5. abc123
6. 123456789
7. 111111
8. 1234567
9. iloveyou
10. adobe123
11. 123123
12. admin
13. 1234567890
14. letmein
15. photoshop
16. 1234
17. monkey
18. shadow
19. sunshine
20. 12345
21. password1
22. princess
23. azerty
24. trustno1
25. 000000