Arquivo de setembro de 2013

Brasil: país que reúne condições para o sucesso da Distribuição de TI

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Brasil, Copa das Confederações, Copa do Mundo, Jogos Olímpicos. Sétima economia mais forte do mundo, sétimo maior mercado de Tecnologia da Informação (TI), mais de 195 milhões de habitantes, e quinto maior país em extensão territorial, representando cerca de 50% da América do Sul. Tudo isso em 26 estados, o Distrito Federal e mais de 5,5 mil municípios.

O Brasil, um gigante em potencial, e que reúne condições para o sucesso da distribuição de TI. Vamos aos pontos. Economia forte, o que significa que o poder aquisitivo do brasileiro cresce a cada dia. O governo pressiona o corte das taxas de juros, incentivando a tomada de crédito, e, consequentemente, maior giro de dinheiro na praça. Dessa forma, os investimentos em tecnologia, sejam corporativos ou pessoais, aquecem.

Outro ponto envolvendo economia é a ascensão das classes mais baixas. Produtos como computadores, monitores, impressoras, tablets e smartphones começam a ser massificados em regiões a que antes não chegavam.

Na questão territorial muitos falarão que é um desafio atuar em um país tão grande. Mas essa é uma imensa oportunidade. Desbravar os estados de Norte a Sul, Leste a Oeste, é essencial para alcançar os brasileiros. Distribuição de TI é levar o produto onde o grande varejo não está.

Cidades do Norte, Nordeste e até mesmo Centro-Oeste muitas vezes são esquecidas por estarem fora do eixo Sul-Sudeste, e na forte centralização Rio-São Paulo. É justamente nesses pontos onde se encontram as principais oportunidades, que são de alcançar a crescente população que ainda está longe dos gadgets tops de linha, e angariar novas vendas, novos clientes.

Esse é o imenso Brasil, um país tão grande por si só que reúne condições para o sucesso, seja do mercado de Distribuição de TI, seja da revenda, ou seja de qualquer outro setor.

*José Bublitz é diretor da ABRADISTI (Associação Brasileira de Distribuidores de TI)

WhatsApp salva fotos automaticamente no celular; saiba como impedir

sexta-feira, 13 de setembro de 2013

O aplicativo de bate-papo WhatsApp salva automaticamente no celular as fotos e vídeos que o usuário visualiza na tela – algo que pode causar constrangimentos e mal-entendidos. Mas de forma simples e rápida, que você confere abaixo, o programa permite configurar se deseja ou não baixar esses arquivos para o smartphone.

No iPhone, entre no aplicativo WhatsApp. No menu inferior, clique no ícone de “Opções”. Em seguida, procure e clique no item “Opções de Conversa”.

Na nova tela, vá à opção “Salvar Mídia Recebida”. Se ela estiver azul, quer dizer que todo o conteúdo enviado por amigos está sendo salvo em seu celular. Clique em cima da bolinha para desativar a opção. Pronto, o conteúdo deixará de ser salvo.

No Android, entre no WhatsApp. No menu superior, clique no ícone de três pontinhos e acesse “Configurações”. Em seguida, selecione “Configurações de conversa”.
Entre em “Download automático de mídia”.
Clique em “Quando utilizado rede de dados” e desmarque todas as opções. Dê Ok.
Clique em “Quando conectado ao Wi-Fi” e desmarque todas as opções. Dê Ok.

Microsoft expande criptografia e aumenta proteção de dados para combater espionagem governamental

segunda-feira, 2 de setembro de 2013

A Microsoft acaba de anunciar uma série de medidas destinadas a combater o que a gigante caracteriza como uma “ameaça persistente avançada” de espionagem do governo dos EUA.
De acordo com a empresa, essas medidas irão “garantir que os governos usem processos legais, em vez de força bruta tecnológica, para acessar dados de consumidores”. Brad Smith, conselheiro geral da Microsoft, afirmou que a gigante tem as mesmas preocupações de seus próprios clientes sobre a vigilância do governo na internet e está planejando resolver a situação com uma melhoria de criptografia, proteção legal e transparência de seu código fonte.
Para lidar especificamente com as preocupações de clientes internacionais, a Microsoft vai expandir seu programa de segurança governamental, que permite a qualquer governo inspecionar o código fonte da empresa para que possam verificar se algo está sendo escondido por agências de espionagem dos EUA. Os chamados “Centros de Transparência” estarão disponíveis na Europa, Ásia e América do Sul.
A Microsoft afirmou também que irá criptografar os dados que se deslocam entre seus servidores e clientes. Os planos de criptografia serão finalizados totalmente até o final de 2014. A gigante de softwares também está trabalhando com alguns concorrentes para garantir que os dados que são trocados em seus serviços, como mensagens de email, sejam protegidos no futuro.
“Queremos garantir que questões importantes sobre o acesso do governo sejam decididos por tribunais em vez de ditados por poder tecnológico”, finalizou Smith.