Posts com a Tag ‘organização’

7/10 PROBLEMAS QUE ATINGEM QUEM NÃO CONSEGUE ORGANIZAR A ÁREA DE TRABALHO

quinta-feira, 17 de setembro de 2015

7. Mas, antes de medidas drásticas, tenta usar a opção para organizar automaticamente
— Aí como fica??

Fonte: http://elastica.abril.com.br/10-problemas-que-atingem-quem-nao-consegue-organizar-a-area-de-trabalho

3/10 – PROBLEMAS QUE ATINGEM QUEM NÃO CONSEGUE ORGANIZAR A ÁREA DE TRABALHO

domingo, 13 de setembro de 2015

3. Então você decide criar novas pastas para organizar tudo. E essas novas pastas também ficam bagunçadas

Fonte: http://elastica.abril.com.br/10-problemas-que-atingem-quem-nao-consegue-organizar-a-area-de-trabalho

Cinco dicas para aumentar o foco em segurança digital

segunda-feira, 19 de maio de 2014

A falta de experiência em segurança digital, aliada à crescente complexidade das ameaças e redes, ambiente regulatório elevado e ritmo intenso de inovação, estão provocando movimentações nas companhias. Elas começam a olhar para fora de seus “muros de proteção digital”, o que deverá estimular muitas a investirem em outsourcing. Um estudo do Gartner indica que o mercado mundial de terceirização de segurança atingirá mais de US$ 24,5 bilhões, em 2017.

O desafio é encontrar recursos financeiros para lidar com a cibersegurança evoluindo de uma forma eficaz. Para entender melhor as táticas cada vez mais eficazes dos hackers e se proteger, as organizações precisam mobilizar todos os aspectos de sua defesa estendida e do ataque contínuo – antes da invasão acontecer, agindo antes, durante e depois.

É importante avaliar se o ataque foi destrutivo e se as informações foram roubadas ou sistemas danificados. Esse tipo de novo modelo de segurança está impulsionando mudanças nas tecnologias de segurança digital, produtos e serviços.

A primeira onda de fornecedores de serviços gerenciados de segurança (MSSPs) foi focada em produtos e ferramentas em funcionamento, manutenção, atualizações e treinamento. Porém, atualmente, os serviços de segurança digital precisam ser baseados em uma evolução constante e profunda das ameaças. Alguns analistas do setor estão começando a chamar essa nova ordem de serviços de proteção digital de MSSP 2.0.

Com base nas tarefas internas de segurança, orçamentos e prioridades dos negócios, as organizações podem optar por terceirizar mais ou menos as suas necessidades de segurança digital.

Veja a seguir cinco dicas que podem ajudar a garantir que sua empresa mantenha o foco em proteção:

1- Mantenha a capacidade plena de incorporar metadados HTTP em um modelo de telemetria que forneça a profundidade de informações necessárias para ajudar na detecção de ameaças baseadas na web.

Quanto mais dados, maior será a eficácia do MSSP em zerar problemas na rede e isso se torna precioso, já que é como “procurar uma agulha em um palheiro”;

2- As técnicas de análise de Big Data são essenciais para alavancar a grande quantidade de dados obtidos, e não apenas internamente, mas em toda a empresa, em nível global.

Esse mapeamento é muito importante a fim de detectar possíveis ameaças. Independente do número de telemetria utilizado, ao aplicar análises de dados robustas, ao invés, de realizar correlações simples, tem-se a certeza de que as detecções serão de alta fidelidade;

3- Conforme o tipo de dados na rede da empresa, os requisitos de segurança podem variar, dentro das garantias do MSSP. A equipe de TI precisa determinar qual será a abordagem para enfrentar os invasores e se serão necessárias ações alternativas. Essa decisão deve partir do nível de conforto dos profissionais, as partes afetadas legalmente e laudos técnicos;

4- Os dados são muito úteis para as organizações e, por isso, devem existir e garantir que eles serão correlacionados para fornecer o contexto certo, com informações priorizadas. Assim, os profissionais poderão se concentrar nas ameaças realmente relevantes. Entender o MSSP é vital para determinar à organização quais são os verdadeiros focos de problema no sistema e ter acesso a dados altamente confiáveis;

5- Para detectar e se proteger contra “ameaças de dia zero”, as empresas devem ir além do tradicional point-in-time, visualização limitada dos sistemas, e contar com capacidades que permitam monitorar e aplicar a proteção em uma base contínua em toda a sua rede estendida.

Considerando os negócios atuais, regulamentações e segurança digital, as empresas estão cada vez mais olhando para fora de suas dependências físicas em busca de ajuda especializada para se proteger de ataques. Aplicando essas dicas, as organizações conseguirão manter o foco nas ameaças, obtendo a melhor proteção possível.

* Raphael D’Avila é diretor de vendas para Sourcefire no Brasil, empresa comprada recentemente pela Cisco

Cinco cuidados para garantir a eficiência do data center

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

No passado, as companhias costumavam investir em data centers como pais que compram roupas para as crianças: buscavam ambientes grandes, para que continuassem servindo, mesmo depois de uma fase de crescimento. No entanto, as companhias que fizeram assim no passado acabaram desperdiçando muito dinheiro para manter uma infraestrutura desnecessária.

Hoje, as decisões sobre projetos para centros de processamento de dados são focadas em manter sempre a máxima eficiência no uso da infraestrutura, mas deixando as bases para o crescimento futuro. De acordo com o vice-presidente da IBM Steve Sams, essa nova visão já se traduz em uma tendência entre as organizações. “Como resultado, eles estão economizando cerca de 30% em custos operacionais, se considerado todo o tempo de vida do data center”, estima.

Há quatro anos, a IBM fez um estudo extenso sobre os projetos atuais de data center e chegou à conclusão que as três questões que orientaram a escolha por projetos (confiabilidade, tamanho e baixo custo) não eram suficientes. Assim, a fabricante, que constrói entre 200 e 300 data centres todos os anos, observou cinco outras tendências que direcionam a decisão sobre os investimentos nesse tipo de ambiente na atualidade.

1 – Custos de eletricidade superam custos de capital
O estudo da IBM revelou que o custo para manter um data center rodando supera rapidamente o custo original para projetar e levantar a estrutura. O levantamento estima que um ambiente considerado médio custará cinco vezes mais para se manter no ar em 20 anos do que o custo do projeto.

A lição: construa somente o que você precisa para economizar dinheiro em custos de capital. Segundo Sams, os data centers mais eficientes de mundo no quesito eficiência energética estão operando em 100% de sua capacidade. Ou seja: além de economizar com componentes, a empresa ganha em energia.

Tudo isso foi elaborado presumindo um aumento nos custos de energia de 10% ao ano, considerado conservador. Sam cita um cliente da área financeira da África do Sul que atingiu níveis muito maiores: 28% no ano passado e 33% no primeiro semestre de 2010.

2 – Arquitetura modular tem papel importante
O segredo para a construção de data centres que não sejam muito pequenos ou grandes é se enveredar pela abordagem modular.

Um exemplo é a empresa de serviços de transferência de arquivo YouSendIt, que criou um data center modularizado que cresce de acordo com a demanda de serviços da companhia. “É uma evolução constante”, diz o vice-presidente de operações da companhia, Gary Chevsky, que acrescenta: “Temos um esforço constante de nos manter dentro da modularidade e flexibilidade necessárias”.

A companhia, que presta serviços de intermediação de transferência de arquivos grandes entre usuários, investiu pesado na construção de uma arquitetura de storage que pode se adaptar rapidamente à base de usuários crescentes, proporcionando eficiência nos serviços. “Olhamos de forma constante para os custos”, diz Chevsky.

A tendência, segundo a IBM, é forte. Segundo Sams, de 60% a 70% dos data centers em construção hoje são modulares.

3 – Refrigeração é a chave

Há cinco anos, instalava-se 500 watts de servidores em cada rack. Hoje, esse número chega aos 20.000 watts. Com maior consumo de energia, o aquecimento em cada um deles é maior, o que faz da refrigeração um aspecto mais importante.

O tamanho do data center é o primeiro elemento a ser levado em conta no momento de determinar qual opção de refrigeração seria a melhor. “O que funciona bem para grandes data centers não é necessariamente bom para os pequenos”, diz Sam.

Nos pequenos, mais importante é colocar os dispositivos o mais perto possível dos racks. Nos grandes, piso elevado e resfriadores de perímetros são mais eficientes. Segundo Sams, a tecnologia também pode fazer toda a diferença no custo. Pelo estudo da IBM, os piores sistemas eram 2,5 vezes menos eficientes do que os melhores no aspecto de custos operacionais.

4 – Tudo é virtualizado
A virtualização traz uma série de benefícios para a tecnologia corporativa, desde flexibilidade até uso mais eficiente dos recursos. E os servidores não são os únicos componentes de um data center que podem ser virtualizados. Muitas companhias tentam construir o próprio storage e depois resolvem terceirizar. Antes de tomar essa decisão, a organização deve tentar a virtualização. Para a YouSendIt, a virtualização do storage foi um passo importante, até porque o recurso é parte do negócio da companhia. “A possibilidade de ajustar, monitorar e escalar é muito maior”, diz Chevsky.
5 – Data centers auto-diagnosticáveis
Com as necessidades em torno da virtualização, do monitoramento em tempo real e da redundância, os gerentes de TI estudam formas de automatizar o monitoramento e deixar o data center cada vez mais inteligente. O que os profissionais mais pedem é monitoramento em tempo real do calor gerado e eventos de discos que poderiam sinalizar uma falha iminente.

“A inteligência elaborada dentro de um data center será o aspecto do projeto que mais mudará ao longo do tempo”, avalia Sams. “Todo o mercado está em uma curva de inovação exatamente agora. Esperamos que muita coisa interessante aconteça nos próximos três a cinco anos”, acrescenta.

Fonte: http://computerworld.uol.com.br/tecnologia/2010/07/09/cinco-cuidados-para-ter-garantir-a-eficiencia-do-data-center/