Economia criativa pede novo perfil de profissional de TI

Entra ano e sai ano a discussão no mercado de TI sempre passa pelo déficit de profissionais e abrem-se debates sobre falta de mão-de-obra especializada e até sobre o tipo de especialista que as universidades entregam e o papel da indústria diante desse problema. Estima-se que a demanda atual seja por 78 mil profissionais por ano, com um déficit de 45 mil vagas.

Mas de fato, o que o mercado tem buscado? Em uma conversa de pouco mais de uma hora com Rodrigo Tafner, coordenador do curso de Sistemas de Informação em Comunicação e Gestão, da ESPM, o primeiro curso de TI da universidade reconhecida por formar profissionais de marketing, um dos pontos cruciais é que a dinâmica do mercado tem mudado muito e quando se observa a transformação trazida pela economia criativa, muitos dos profissionais de tecnologia que estão no mercado ou mesmo saindo das universidades não conseguem acompanhar o ritmo.

Assim, a velha discussão que trazemos com frequência em nossas coberturas de carreira volta ao cenário: o profissional de TI, seja ele em posição de liderança ou aspirando ser líder algum dia, precisa desenvolver capacidades que vão além dos conhecimentos técnicos. Comunicação, relacionamento interpessoal, abertura à inovação, co-inovação e até criatividade passam a integrar o leque de habilidades que esse profissional tem que desenvolver.

Por que isso? “Hoje ele sai formado em sistema de informação e vai trabalhar com ERP, desenvolvimento de software, suporte e nosso foco, em criar um curso diferente, é que os alunos trabalhem com a criação de aplicativos, mas vendo oportunidades de negócio, não fazendo apenas o bê-á-bá das empresas. Queremos formar um pessoal de TI que navegue entre administração, TI e marketing”, argumentou.

E, na verdade, até pela convergência provocada pela tecnologia e por movimentos que se tornaram frequentes, como o marketing liderando iniciativas de mobilidade, mídia social, CRM, entre outros, é necessário que o novo profissional de TI chegue ao mercado com uma cabeça mais aberta e com a possibilidade de transitar melhor entre as áreas e liderar projetos abandonando de vez os velhos silos tecnológicos que eram comuns há alguns anos.

Isso não significa que ninguém que está no mercado possa ocupar esse tipo de posição. Existem vários exemplos de CIOs ou mesmo profissionais de média gerência que estão tendo sucesso na transição, seja por aprendizado próprio, por terem um perfil diferente ou mesmo por buscarem diversificar sua área de conhecimento via pós-graduação, mestrado e MBAs.

No curso desenhado por Tafner e um grupo de professores e profissionais do mercado, o aluno passa 80% das aulas em laboratório e os 20% restante em um ambiente que simula empresas que integram esse mundo de economia criativa, como Facebook, Google, Twitter, entre outros. No currículo, disciplina tradicionais ganham uma roupagem nova com uma abordagem mais voltada à TIC aplicada e não à teoria ou simples codificação. “Temos uma disciplina que chama Ambiente de Produção, ela une hardware, sistema operacionais e aplicações embarcadas, são três disciplinas em uma, mas com um sentido”.

A ideia é fomentar a criatividade. Temas como gamificação, inteligência digital e mobilidade ganham força. Em vez de aulas tradicionais, eles serão convidados a participarem de projetos, a cada aula ou módulo o aluno terá de enfrentar um desafio e isso é bom. “Ele não sai um expert em tecnologia, mas se o programador faltar, ele saberá programar, talvez não com a mesma velocidade, mas saberá.” Mas o mais importante, é que esse profissional saia mais bem preparado para os desafios que o mercado impõe atualmente e esteja pronto para fazer as perguntas corretas na condução de um projeto e também para enxergar os desafios dentro de uma perspectiva de negócio. “Ele não tem que discutir se o banco de dados será Oracle, mas qual o impacto de migrar de um BD para o outro.”

por Vitor Cavalcanti

Tags: , , , , , , , ,

Deixe um comentário